Um mongol também tem saudades

iurta

Oh, que bom que era estar agora numa iurta, no meio da quase árida pradaria mongol.

interior

delícias nómadas

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

5 respostas a Um mongol também tem saudades

  1. Carla Lopes diz:

    Ah, Manél, estas fotos me lembraram que os camelos também choram, o que acho lindo demais!!!

  2. E a bela água canalizada? Quente?

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Eugénia, e as vantagens de uma lavagem a esponja com uma não-mão-cheia de água fria? O que isso faz a pele bonita.

  3. nanovp diz:

    O mais difícil deve ser encontrar essa pradaria, com a montanha branca ao fundo…E será que se pode ter saudades daquilo que nunca se viveu?

Os comentários estão fechados.