Ao pau e à naifa

malhadinhas

 

Hoje, 25 de maio, dois dias antes do exato cinquentenário da morte do meu Aquilino, ficaria mal se não deixasse aqui um livro dele. Mas deixo um livro que ele nunca escreveu como livro, mas que se tornou… num dos livros mais famosos dele.

O Malhadinhas começou por ser um conto, integrado no volume Estrada de Santiago, que viu a luz do dia em 1922. Muitos anos depois, em 1958, volta a aparecer num outro volume que tem dois títulos, de outras tantas novelas: A Mina de Diamantes e O Malhadinhas. Só mais tarde, devido ao enorme sucesso da obra, surge com o nome a ocupar a fachada do livro.

O Malhadinhas é uma aventura da vida. O homem existiu, viveu e a história foi contada ao Aquilino por aquele meu bisavô que já apareceu aqui por várias vezes. Deixou descendentes, um dos quais (a neta, salvo erro) foi a enterrar em Vila Nova de Paiva (o ajudengado nome que deram a Barrelas) há poucos meses.

A história do almocreve é contada na primeira pessoa, coisa que ao autor não deve ter custado muito. António Malhadas, o protagonista do longo monólogo que é a atribulada história da sua vida e que percorre um mundo que vai de Aveiro, onde compra sal, a Barrelas, onde o vende, tendo os seus divertimentos em cada porto, que é como quem diz em cada local de pernoita, começa por ser real e passa a ficcionado, tendo como resultado uma mistura onde se encontra também o autor. Não é sempre assim?

Homem capaz de juras com quantos dentes tem; e de mentiras que dizia com a aflição de um credo na boca, é de boa cepa, mas puxado ao exagero, de exaltações rápidas, perdões imediatos, sonhos grandes, pequenos feitos e coração puro. Mais do que isso, exímio no jogo do pau, consegue arrancar todos os botões do colete do adversário com uma pequena navalha enquanto com ele combatia. Ao fim de um ror de tempo a manejar o varapau, quando o brutamontes lhe propõe o empate, logo Malhadinhas lhe recomenda que procure pelas abotoaduras, das quais nem uma tinha, provando que o podia ter ferido e morto tantas vezes quantas as casas do colete.

Há quem diga que Aquilino é difícil de ler. Qual quê! Difícil é deixar de o ler, quando se entra a sério na obra. Olhem lá como Malhadinhas remata uma parte da história em que nos conta os amores antigos, antes de ter sacado, por maus modos e condenáveis métodos, a prima que lhe havia de dar mais uma dúzia de filhos, depois de com ela ter casado à pressa face a um padre temeroso. Pois o Malhadinhas conta-nos as aventuras de saias e remata assim: “Ricos tempos em que era capaz de tais Áfricas, ricos tempos”. E as Áfricas, como sabe o Manuel Fonseca melhor do que vocês, e eu melhor do que o Manuel Fonseca, são a aventura, a descoberta, a liberdade, os horizontes largos tudo na mesma palavra, que assim se faz poesia. Mas só quem sabe.

Vai o tempo, fica a saudade, o Malhadinhas reforma-se do jogo do pau a insistente pedido da sua querida mulher, Brízida. E ele, que é assim descrito “Danado aquele Malhadinhas de Barrelas, homem sobre o meanho, reles de figura, voz tão untuosa e tal ar de sisudez que nem o próprio Demo o julgaria capaz de, por um nonada, crivar à naifa o abdómen dum cristão” acede à mulher e prima, por quem tanto lutou e tanto penou. Pode morrer na paz de Deus, sem mais ter de andar a monte, a fugir.

O amor é que vence tudo, já dizem os entendidos e quem sou eu para os desmentir. Assim é nesta história também. E se acaso convenci duas pessoas a correrem à estante ou à livraria para ler O Malhadinhas, já cumpri com a minha obrigação.

Deus os guarde e bem hajam.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Está Escrito. ligação permanente.

5 respostas a Ao pau e à naifa

  1. António Barreto diz:

    Uma obra e uma figura que ainda me fascina e merece revisitação, tal como Aquilino, Ramalho, Brandão, etc. Mas que grande avô foi o do Henrique! Fantástico! O nosso Malhadinhas é que, já no leito de ida – juulgava ele – foi incapaz de enganar a mulher e prima que lhe negou o canhangulo com que a queria matar por ciúmes…como direi…antecipados? Há ainda, se bem me lembro, uma hilariante estória de um burro comprado na feira e que se revelou um embuste!

  2. Luísa Tavares de Mello diz:

    Que grande neto saiu Caro Henrique Monteiro! Segue o seu avô e faz perdurar o brilho dele e dos seus contemporâneos.

    Por si e por mim vou reler o Malhadinhas.

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Henrique, estou aqui, estou a desatar a ler o Aquilino. O Malhadinhas foi leitura juvenil e a cena em que limpa os botões ao adversário é um mimo. Loucura minha ou a Emissora Nacional transmitiu-o em folhetim radiofónico?

  4. celeste martins diz:

    Vou, de certeza, reler o Aquilino em geral e o seu Malhadinhas em particular. E que dizer do riso que

    provoca a artimanha do agitar do turibulo na noite fechada, em plena serra, rodeado de lobos !!!

    Difícil de ler? Para quem não gosta não há livros fáceis.

  5. nanovp diz:

    Uma das maravilhas da nossa escrita, não o vou comprar porque já o tenho…também me tinham tentado iludir com a dificuldade, mas não passou de falso obstáculo…

Os comentários estão fechados.