Os meus retratos

Banner_Eet_Final

A muito boa gente que pensou suicidar-se, bastou-lhes rasgar a própria foto para se acalmar.
Acho que foi um francês que se saiu com este mot d’esprit. Só podia ser um francês.  Ora, eu, antes a morte que tal sorte, que os meus retratos são todos para guardar. Hoje, regressei aos meus traços originais, aqueles com que a Rita de Vasconcellos me pintou. Já não está lá em cima, este retrato em o Gonçalo Van Zeller me fez leve e inefável. Agradeço-lho muito e vou guardá-lo na minha galeria de todos os prodígios.

15.Gonçalo Van Zeller

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

3 respostas a Os meus retratos

  1. E lá está, só me apetece dizer obrigado, obrigado, obrigado, Ao Gonçalo, à Rita (pelos retratos) e ao Nuno (por andar sempre a mudá-los).

  2. riVta diz:

    uma bela galeria sim senhora
    obrigada Tia pela pequeníssima parte que me toca
    dling dlong
    😀

Os comentários estão fechados.