Tempo e Vida

Tudo na vida leva tempo, e a vida gasta-se nele. Mas é no tempo que nasce o sentido da vida, no tempo passado, vivido, no tempo que ainda virá.

Não ter tempo é uma desculpa esfarrapada, é como dizer que não se quer ter vida.

Gastar o tempo é inevitável, ele passa sozinho, mesmo quando sentimos que estamos parados no tempo.

E contudo, só a vida na terra é temporal.

 

 

Sobre Bernardo Vaz Pinto

Não conseguiria nunca ser bailarino actor ou cantor sem aquela coragem segura que lhes permite não desfalecer sob os olhares escondidos de qualquer audiência.

Prefiro esconder-me sob uns traços gordos de um lápis de lâmina macia, em fundo branco de papel, acarretar a velocidade lenta de uma qualquer construção que se faz colocando pedra sobre pedra.

Ou passar tempo a decifrar, agora por detrás destes óculos de vidro, caligrafias de ficção e poesia, que acabam por aparar a nossa existência, e até moldá-la, abrindo portas a novos sonhos e realidades que não vislumbrávamos até à data.

A música. Negra, principalmente riscada nos pântanos de new orleans, e no fumo gelado do south side de chicago. O jazz num solo de Baker, o Miles de pés e mãos marcadas pelo tempo e pelos abusos num concerto em Tokio onde a língua falada era mesmo a música. E Bach. E sempre Bach.

De resto, pouco mais, entre a vontade de sonhar a vida e o sonho de vivê-la. O olhar da estrada que passou que ilumina o caminho incerto do futuro.
A vontade de expelir para fora o ar que nos fica preso cá dentro.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

14 respostas a Tempo e Vida

  1. Bruto da Silva diz:

    O que é o tempo? É dinheiro? Nim.
    Se não fosse o relógio, o calendário, o registo, seria preocupação, recordação, sonho, saudade?

    • nanovp diz:

      É tudo isso, para o bem e para o mal…mas dinheiro não é , embora nos tenhamos habituado a essa concepção bem mais anglo-saxonica de “que tempo é dinheiro”.

  2. Mário diz:

    Ainda assim o tempo não se gasta todo ao mesmo ritmo. E flexível. Estica-se e encolhe-se à medida das necessidades. Aprende-se. Só é preciso…tempo.

    • nanovp diz:

      Estica-se às vezes por uma vida inteira…mas tem razão a dificuldade é ter tempo para aprender sem que se esgote o tempo todo…

  3. maresanto diz:

    Querido Nano,
    Lembrei-me de um testemunho que escrevi para a minha querida amiga Joaninha…

    Verdade que, afinal de contas, o tempo de que dispomos se alterou. Transformou-se numa sequência de tempos em que entre tempos…suspiramos pelo tempo de que dispunhámos no tempo em que tínhamos mais tempo. Verdade, também, que o tempo voa e depressa, de repente, se transforma em não tempo…em falta de tempo. Verdade que o que se transforma também nos transforma, ou será o contrário? Mas o tempo não transforma o que com tempo cresceu. O que com tempo foi alimentado ao ritmo de conversas intermináveis, de sonhos, ideias (mesmo que nunca concretizadas), tristezas, frustrações, alegrias, noites de loucura ou dias de desespero…o que sinto por ti, o que sei que contigo construi, o que juntas conquistamos uma da outra, ou uma com a outra, ou uma para a outra, é intemporal e não cabe no dia-a-dia…porque faz parte dele, como pano de fundo, como essência das mulheres em que nos estamos a transformar com o tempo. Sou feliz por ter-te na minha vida.

  4. Vida e tempo coincidem. Totalmente.

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    Do tempo, o fluir. Ou dele é feita mais-valia, ou o seu escoar desespera.

  6. Manuel S. Fonseca diz:

    Ou então nem há vida. Só tempo. Então e a vida? Passa tempo.

Os comentários estão fechados.