A chatice que eu o Santo António temos em comum

Santo António é uma chatice! As marchas são uma chatice! As sardinhas são uma chatice! Os manjericos são uma chatice! Eu próprio sou uma chatice! O que me transforma na coisa mais parecida com Santo António que eu próprio conheço. Porque, não sei se já vos disse que Santo António é uma chatice! Que as marchas são uma chatice e que eu, sendo uma chatice, não sou melhor do que as marchas, do que os manjericos, do que as sardinhas. Eu, sendo uma chatice, posso ser, na verdade, o Santo António. Que é uma chatice! (E tirem-me o menino do colo que eu não quero cá confusões! Estão a ouvir?)

PS: Eugénia, o teu amor está para as bandas da Madragoa. Podes apagar a vela, vá!

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom.
Sem nunca me levar a sério – no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom
(e barato).

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

10 respostas a A chatice que eu o Santo António temos em comum

  1. Ó meu rico São Monteiro
    O onde tem de ser certeiro
    Não a Madragoa por inteiro…
    E o nome do Amor em primeiro!
    Se não gostar do nome nem da morada
    Com um soprozinho fica a vela apagada

    • Henrique Monteiro diz:

      Ó minha querida e triste amiga, de tudo o que disse só me falta ser rico! E de resto não sei mais, que isto de ser chato cansa-me…

  2. António Barreto diz:

    Sugiro uma experiência de marchante, com par a condizer. Quem sabe o que descobrirá?

    • Henrique Monteiro diz:

      Santo António, siga a marcha,
      Santo António a marcha siga
      Com este pobre tunante
      Inda que seja dançante
      Não há um par que condiga

  3. Fatima MP diz:

    Não há um par que condiga
    Ó que fraquinha ilusão
    Vá pela noite de Alfama
    Com um manjerico na mão

    Troque todas as chatices
    Por uma dose de sardinhas
    Beba-lhe um copo de tinto
    E vá curtir nas escadinhas

    E não esqueça o tostãozinho
    Para o santo milagrar
    Milagres não há de graça
    Quer um par, tem que pagar

    E sabe que mais? Tirando São Francisco (para mim) e por outras razões, São Paulo (para milhões), não há Santo como o nosso António, Bethânia dixit … e eu concordo. E que saudades de uma noite de Santo António, de um Junho bem quente, e de umas mines bem geladas e umas sardinhas bem douradas … olhe, mandem lá a TROIKA! Bom Santo António, Henrique, mande as chatices pro espaço. Já lhe chega essa vã e vil tristeza … heheheh

  4. adelia riès diz:

    Estes Tristes sao de mais 😀

  5. Vai o nosso Henrique de balão
    Com o Santo António a chatear
    Vem logo a Eugénia dão baladão
    Um estoiro e o Bidarra vai ao ar.

  6. António Barreto diz:

    Isto está a ficar fino!

    Nem Santo António escapa
    à voraz desilusão!…,
    Levaram-nos a massa à socapa,
    ficámos com as calças na mão!

  7. Olinda diz:

    ó Henrique: tu és tão chato, tão chato, que antes de o menino te sair do colo deixou uma prenda mal cheirosa. 🙂

  8. celeste martins diz:

    Afinal de que se lamenta? Da chateza da vida ou da chateza antonina? Olhe que não é tanto assim. Vejamos: – Sto Antonio é bem mais rapioqueiro do que os seus colegas santos!! Tem mais sentido de humor…casa..e descasa..se for preciso….que isto de se olhar sempre para a mesma cara, já era. …Se calhar até já está no facebook. Além de tudo isto ainda é um quebra bilhas inveterado……e estimula a malandrice e o namorico .. Ora vê como o santo afinal é um dos nossos?

Os comentários estão fechados.