Duvidávida

Às vezes, pergunto-me: mas o que raio faço eu aqui? Qualquer que seja o “aqui”. O que vale é que me lembro logo: também fui eu que fiz o “aqui” e somos os dois impermanentes por natureza. Um “aqui” só é permanente por decisão, porém é sempre auto-limitado já que a sua maior amplitude potencial é enquanto a vida dura. Agora lembrei-me de David Mourão Ferreira:

Que dúvida Que dívida Que dávida
Que duvidávida afinal a vida

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática com as tags . ligação permanente.

16 respostas a Duvidávida

  1. Olinda diz:

    que lindo isso. e a intuitiva do título mais que mais. 🙂

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    Não tenha dúvida, neste blog a Eugénia é uma dádiva. Claro que estamos em dívida.

  3. Bruto da Silva diz:

    Então Aqui e Agora , o melhor que lhe sei duv&dar (RefaVela)

  4. Manel diz:

    Bom dia Eugénia! Sou um admirador do seu trabalho e queria perguntar para quando e onde é o lançamento do seu novo livro. Bj

  5. nanovp diz:

    Que tudo dê em vida Eugénia…

  6. Maria do Céu Brojo diz:

    Gostei tanto que mais palavras só me estragam o sentir.

Os comentários estão fechados.