Orgulho de um homem banal

Sou um tipo banal e a partir de hoje orgulho-me disso. Não ser banal nestes tempos (sobretudo com este calor) dá tanto trabalho que não merece o esforço. Por isso, caros tristes, aqui tendes um homem banal que a partir de hoje dirá banalidades. Esta, por exemplo: é melhor ser rico, bonito, novo e ter saúde do que ser pobre, feio, velho e doente.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

8 respostas a Orgulho de um homem banal

  1. António Barreto diz:

    Fugir dos que aspiram à relevância.

  2. CeC diz:

    Henrique, vê lá se o Cristiano Ronaldo não se chateia de usares a sua saudação habitual: “…rico, bonito e bom..“, acrescentando, como não, umas ‘varadas’ de inveja alheia. Banalidade, pois claro!

  3. Bruto da Silva diz:

    Só falta actualizar o perfil 😉

    Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério – no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).

    “Quit dreaming and get on the beam”

  4. Manuel S. Fonseca diz:

    Ah pois, e ainda hás-de (ou é hádes) ter saudades da União Soviética! É que nem sabiam o que iam perder.

    • Fatima MP diz:

      Tendo a concordar, é banalidade mesmo. Talvez ficasse ainda um pouco mais banal (ou menos … depende …?) se invertesse a ordem dos atributos, assim: ter saúde, ser novo, bonito e rico. E para sempre. Amén!

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    Onde se prova a dificuldade da aparente facilidade.

  6. nanovp diz:

    Atingir a banalidade pode não ser fácil…ou banal…

Os comentários estão fechados.