Ouvindo o que o mar dizia

Eu ontem passei o dia,

ouvindo o que o mar dizia” (*)

O Mar I

O Mar I

O Mar II

O Mar II

O Mar III

O Mar III

(*) António Botto

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

20 respostas a Ouvindo o que o mar dizia

  1. Bruto da Silva diz:

    Rima com nostalgia. Tempestade rima com saudade. Entre a noite e o dia há sempre alguma verdade.

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    Bom de ouvir

  3. riVta diz:

    que coisa tão bonita de lembrar, trazer e mostrar

    • Pedro Norton diz:

      não é tão bonito como os seus desenhos. Mas merci, como diria a menina aqui de baixo.

  4. E o que raio disse o mar? É segredo?

  5. maria diz:

    O barquinho ruma ao sul…
    Pousão,o meu pintor…

  6. Olinda diz:

    porque o mar em conluio com o céu é a voz que o universo nos deu.

  7. Maria João Freitas diz:

    Pedro,
    Apetece encostar um búzio ao ouvido e pedir-lhe que traduza.

  8. Ivone Mendes da Silva diz:

    Dorme um Ulisses dentro de si, Pedro.

    • Pedro Norton diz:

      nas noites de tempestade, aqui em minha casa onde ele dorme, é um ressonar que não queira saber. Este inverno partiu-me um vidro da janela!

  9. Carla L. diz:

    Debruçada na varanda chego a pensar que por um breve instante este mar é só meu.
    Egoísmo puro.

  10. Maria do Céu Brojo diz:

    Nem o sussurro da ondulação serena falta. Quanta paz!

    • Pedro Norton diz:

      um dia destes posto aqui uns menos serenos. Mas estes são de facto de grande calmaria.

Os comentários estão fechados.