Por fim, Godot é um maçador!

No âmbito da minha condição de homem banal orgulhoso de só dizer banalidades, aqui tenho mais uma: passamos a vida à espera de coisas que nunca acontecem ou que, quando acontecem, não têm sequer um átomo do interesse que antecipávamos. Foi assim que descobri que Godot não tem o mínimo interesse. É um tipo ainda mais banal do que eu

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom.
Sem nunca me levar a sério – no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom
(e barato).

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

5 respostas a Por fim, Godot é um maçador!

  1. adelia riès diz:

    Godot est un petit vieux bien chiant.
    Bien vu.

  2. António Barreto diz:

    ai que prazer…não cumprir um só dever…

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Sei que tinha uma tradução portuguesa excelente do GodoT. Estava mesmo aqui na prateleria de baixo. Por uma inopinada arrumação qualquer, não é que foi parar à fila junto ao tecto! É que nem pensar ir buscá-lo lá acima de escadote. Bem pode ficar para ali à espera.

  4. Dinis Evangelista diz:

    Porque a vida é composta de coisas positivas e negativas, de leituras boas e más, aconselho a que – mesmo independentemente da respeitável opinião de Henrique Monteiro – que se leia este texto, da autoria de Samnuel Beckett.

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    Reclama a condição de banal e depois sai-se com esta pérola. Santa paciência!

Os comentários estão fechados.