Santo Antoninho onde te porei?

Painel em cerâmica cujo autor não foi possível identificar

Painel em cerâmica cujo autor não foi possível identificar

 

20121205155242_00005

Almada Negreiros - " Marcha Nocturna"

Almada Negreiros – ” Marcha Nocturna”

Almada Negreiros - " Marcha Nocturna"

Almada Negreiros – ” Marcha Nocturna”

Bottelho

Bottelho

Ontem vibrou a Avenida. Hoje, dia de Santo António, completam-se 125 anos do nascimento de Fernando Pessoa. Vários são os poemas que dedica ao santo ou neles o menciona. Excertos de um deles.

Santo António

“Nasci exactamente no teu dia —

Treze de Junho, quente de alegria,

Citadino, bucólico e humano,

Onde até esses cravos de papel

Que têm uma bandeira em pé quebrado

Sabem rir…

Santo dia profano

Cuja luz sabe a mel

Sobre o chão de bom vinho derramado!

Santo António, és portanto

O meu santo,

Se bem que nunca me pegasses

Teu franciscano sentir,

Católico, apostólico e romano.

(…)

Adiante … Ia eu dizendo, Santo António,

Que tu és o meu santo sem o ser.

Por isso o és a valer,

Que é essa a santidade boa,

A que fugiu deveras ao demónio.

És o santo das raparigas,

És o santo de Lisboa,

És o santo do povo.

Tens uma auréola de cantigas,

E então

Quanto ao teu coração —

Está sempre aberto lá o vinho novo.

(…)

Valem mais que os sermões que deveras pregaste

As bilhas que talvez não concertaste.

Mais que a tua longínqua santidade

Que até já o Diabo perdoou,

Mais que o que houvesse, se houve, de verdade

No que — aos peixes ou não — a tua voz pregou,

Vale este sol das gerações antigas

Que acorda em nós ainda as semelhanças

Com quando a vida era só vida e instinto,

As cantigas,

Os rapazes e as raparigas,

As danças

E o vinho tinto.

(…)

Que os descendentes dos que nós amámos

Nos promovem a outros, como faz

Com a imaginação que há na certeza,

O amante a quem ama,

E o faz um velho amante sempre novo.

Assim o povo fez contigo

Nunca foi teu devoto: é teu amigo,

Ó eterno rapaz.

(Qual santo nem santeza!

Deita-te noutra cama!)

Santos, bem santos, nunca têm beleza.

Deus fez de ti um santo ou foi o Papa? …

Tira lá essa capa!

Deus fez-te santo! O Diabo, que é mais rico

Em fantasia, promoveu-te a manjerico.

(…)

Sê sempre assim, nosso pagão encanto,

Sê sempre assim!

Deixa lá Roma entregue à intriga e ao latim,

Esquece a doutrina e os sermões.

De mal, nem tu nem nós merecíamos tanto.

Foste Fernando de Bulhões,

Foste Frei António —

Isso sim.

Porque demónio

É que foram pregar contigo em santo?”

9 de Junho de 1935 (in Fernando Pessoa, Os Santos Populares, Edições Salamandra e Casa Fernando Pessoa)

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a Santo Antoninho onde te porei?

  1. Ó mas que santeza pessoana. Bem melhor do que o raio das marchas.

    • Maria do Céu Brojo diz:

      As marchas dos cetins e perlimpimpins sintéticos até que são momentos entusiastas que mobilizam bairros e «bairrantes». E se é preciso animar as gentes!

  2. Também é o meu santo, e só o fiquei a saber bem tarde.
    Sabia que ele era gordo?… 🙂

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Bom patrono! Sorte a sua. Tenho uma patrona: Nossa Senhora do Rosário por ter nascido no dia que o calendário católico lhe destina. O nome antecipadamente escolhido pelos pais era Maria do Rosário. As boas memórias das muitas Céus da família levaram a melhor. Desgraça minha!

      Este santo devia ser anafado, sim, pelas imagens menos fantasiadas que o retratam.

  3. nanovp diz:

    Fui apanhado no meio do caos, por lapso, como quem se perde na noite escura….bem melhor esta viagem a Pessoa, que coloca o Santo no seu lugar…

    • Maria do Céu Brojo diz:

      E como eu gosto dos ingénuos altares onde o Santo tem lugar durante as festas populares de Lisboa!

Os comentários estão fechados.