TRISTES…

Meus Tristes queridos,

Borges, um dia, encontrou-se com ele próprio. Creio até que foi num banco de jardim com vista para o rio. Mas se não foi, poderia ter sido. Ele era então jovem e esteve à conversa com o futuro de si mesmo. Até duvidou.

Gostava tanto que numa frase, pronto, duas ou três, ninguém irá contá-las, se encontrassem convosco. Que diriam?

Porquê? Porque a vossa Tia ama a vida, estima o tempo – e sabe de cor o que estava escrito sob o relógio de sol de uma certa casa.

Beijos,
Tia

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a TRISTES…

  1. Maria do Céu Brojo diz:

    Dos encontros, são os melhores. Vou reter a sugestão.

  2. Bruto da Silva diz:

    Isto é que vai uma crise… Está tudo louco?

  3. nanovp diz:

    Será um encontro de surpresa, sem aviso….

  4. Ó Tia, e assim, à frente de toda a gente? Ou vale fazer como a Tia, indirectamente, com uma frasezinha à laia de máxima, mínima ou lá o que é?

  5. Manuel S. Fonseca diz:

    Eu acho, estimada Tia, que me vou encontrar com o ex-futuro.

Os comentários estão fechados.