Uups

star wars

Spielberg e Lucas disseram esta semana que Hollywood acabará por implodir na sua estratégia de meia-dúzia de títulos com orçamentos de 200 milhões de dólares nas salas e tudo o resto – filmes como “Lincoln” incluído – na pay tv e video on demand. Depois da derrocada, o cenário não mudará muito: bilhetes a 100 dólares/euros para ver mega-espectáculos no cinema, tudo o resto nos ecrãs caseiros. Concordo. Tenho grande admiração por Spielberg, menos por Lucas (que não deixa de ser um homem brilhante). Mas serem eles a dizer isto é o mesmo que Darth Vader desabafar que só foi pai do Luke Skywalker porque se esqueceu de usar preservativo.

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

4 respostas a Uups

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    Funny, nem quero vê-los, triste espectáculo, de preservativo na mão, nhacccc.

    Mas olha que ambos nasceram de piquininas produções (Duel, THX, American Graffitti) e depois, crescidinhos, enquanto produtores pagaram muitos piquininos filmes. E isto tudo para te deixar aqui um piquinino comentário, Pierre, le Grand.

  2. Ó doutor, olha que essa história da paixão deste duo pelo autoral small is beautiful é uma grande balela. Quando o Spielberg se viu a sair de dirigir uma insuportável Joan Crawford de 60 anos por tuta e meia no sub-sub “Twilight Zone” que era o “Night Gallery” (já viste o dito episódio? Não é coisa bonita) e se viu com os milhões do “Tubarão” no regaço, nunca mais voltou para trás. Do Lucas nem é preciso falar (ele bem insiste que o que gostava era de ter continuado a fazer filmes pequeninos enquanto engorda no Skywalker Ranch, mas nunca o vi a voltar a tentar). As produções executivas de duas ou três preciosidades e os auxílios filantrópicos ao Wenders ou ao Kurosawa é um pouco como aqueles multimilionários que criam fundações beneméritas para fugir aos impostos. Mas isto sou cá eu com as minhas ideias, já sabes.

  3. nanovp diz:

    Do que se diz ao que se faz vai uma distância de uns milhões de dólares…small is beautiful, but big is BIG…

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    «Ñã» me cheira que desta penetre no escurinho do cinema.

Os comentários estão fechados.