A História do Cão que Comeu um Picasso

Não sou só eu e o Cão. Nem foi só Camilo Pessanha e Arminho. Ou Jo-Fi e Freud. Frida Kahlo e os xoloitzcuintli lailai. Ou só Audrey Hepburn com os lindos yorkies Mr. Famous e Assam. E se pelo meio houve veados, falcões, cabras e até pombas, pois tive uma lebre. Não sou só eu e o Cão. Nem eles apenas. Há outros. E este o meu preferido – estou em boa companhia.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

11 respostas a A História do Cão que Comeu um Picasso

  1. nanovp diz:

    Com companhias destas quem quer estar sózinho?

  2. Olinda diz:

    🙂

    (maravilha de comilanço)

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Olhe só que livro tão bonito… Onde é que descobriu essa preciosidade do DDD?

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    Boa descoberta, sim senhora!

  5. maria diz:

    É uma delícia…ofereci uns tantos a alguns amigos nos seus aniversários.

Os comentários estão fechados.