Os meus retratos – Manuel San Payo

cropped-sanpayo_final

 

Já todos sabem de quem é a culpa: da Rita. Desde que Escrever é Triste que a Rita traz retratos. Convida artistas e eles desenham livremente esta vossa Escrever. Depois, o Nuno planta lá em cima, a encabeçar o blog, os admiráveis resultados. Foi assim, agora, outra vez, com o retrato que me fez o Manuel San Payo. Ai, como é que e Eugénia disse? “Toda a realidade é interpretativa, e nós somos o sujeito que a intervenciona. Manuel San Payo vem lembrar-nos disto.”

Fez bem lembrar-nos. Mas é tempo de voltarmos a outra interpretação da minha realidade. A primeira, aquela a que sempre volto. Não sem dizer muito obrigada ao Manuel San Payo que tão bem me sonhou. E pronto, é meia-noite e lá em cima já está o velho banner.

Sobre Escrever é Triste

O nome, tiraram-mo de Drummond. Acompanho com um improvável bando de Tristes. Conheço-os bem e a eles me confio. Se me disserem, “feche os olhos”, fecharei os olhos. Se me disserem, “despe-te”, dispo-me.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

Uma resposta a Os meus retratos – Manuel San Payo

  1. nanovp diz:

    ainda tempo para voltar a agradecer à Rita e ao Manuel San Payo….

Os comentários estão fechados.