De 2 em 2

Configuro jogo com dois baralhos diferentes e incompletos. No todo, um só. Se num dia desaparece um ás, no seguinte, outro, vão dois sumiços de monta. Se ao terceiro dia uma rainha e um rei renunciarem à função, mais dois. Contabilizando dois mais dois valetes e damas em fuga, reforçada a condição de baralho sem préstimo. Em causa a sanidade da «psi» de quem julga possível continuar a jogatina. Mesmo eu, habituada que estou às minhas gratas loucuras, reconheço a transcendência desta.

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

10 respostas a De 2 em 2

  1. Inma diz:

    Aqui em Espanha também estão em causa a sanidade, educação, os funcionários…

  2. nanovp diz:

    Azar no jogo, azar no país…

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Eu, que ao termo azar prefiro a expressão ‘menos sorte’, reconheço que com estas cartas nem azar nem pouca sorte. Previsível desde início que baralho tão mal amanhado não daria pirâmide de jeito. Um sopro e ruiu.

      • Bruto da Silva diz:

        Neste jogo do/s burro/s sobram muitos anos de penitência para a plebe 🙁

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Quatro ao baralho e o baralho de pé, é o que é…

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Entre muitos que não apostam um chavo neste jogo, estou eu. Ruiu o baralho, é o que é. 🙂

    • Bruto da Silva diz:

      O teimoso do sempre-em-pé passou-se e vai ser a carga que o vai derrear…

  4. Rita V. diz:

    Então e agora?
    Zás catrapás…

Os comentários estão fechados.