Narrativas

As últimas quarenta horas de Portugal foram escritas pelo Shakespeare de “Titus Andronicus” revisto por Jonathan Swift e com notas de rodapé do Ambrose Bierce. Era só isto.

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

6 respostas a Narrativas

  1. Maria do Céu Brojo diz:

    Na História e na Literatura, tenho para mim, que em cenários na aparência diferentes, os ciclos dos tempos humanos estão lá todos. Esta chamada de atenção é prova.

  2. Bruto da Silva diz:

    É tudo mentira: o mar está roxo (de raiva, de vergonha).

    http://www.youtube.com/watch?v=iMtz1d0ruAk

  3. Inenarrável, como dizia o João Bénard.

  4. Rita V. diz:

    Pois
    …é só isto também.

  5. nanovp diz:

    Acho que não temos essa sorte Pedro….

Os comentários estão fechados.