ai chega chega

e foi a propósito de calor que me lembrei que beijoquices no verão são um inferno, corpo suado, mãos suadas, tudo peganhento a atrair pedaços de pecado por inventar

 

… ai que calor, chega para lá!

 

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem.
Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton.
Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque… escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática com as tags . ligação permanente.

12 respostas a ai chega chega

  1. marie diz:

    Bom…, há sempre umas pedras de gelo…

  2. Então o pecado rasgado suado como na canção do Chico Buarque não tem direito à vida fora do palco ou da gravação? Acho mal…

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Que calor, señor! Ai que calor!

  4. marie diz:

    Oh…, cheguei tarde… o gelo derreteu-se pelo caminho…

  5. marie diz:

    Olhe, desta vez voltei rápido. Trouxe um leque…

  6. nanovp diz:

    E nada de beijocas no frigorífico….

Os comentários estão fechados.