Beija-me e Cala-te

BEIJA-ME E CALA-TE

Tenho uma mulher
Que é um corropio
Faz isto e mais aquilo
E pior, manda fazer
Só se interrompe para dizer
Quero assim e quero assado
Ora, sou um tipo sossegado
É preciso estar-se sentado
Para compor um bom fado
E vem de lá o corropio
Desenrola todo o fio
Começa a ladainha
O tac tac da cegonha
Nunca pára, não faz ronha
Fala fala fala fala
Ó filha, beija-me e cala-te!…
Quando chega a noitinha
Arruma a cozinha
Mas entre o forno e fogão
Sai-lhe uma tarte de limão
Ensaio-me para a provar
Já ela a está a fatiar, e eu
Anda, querida, vem-te sentar
À frente da televisão
O pior é que a mulher
É toda opinião e vem de lá o corropio
Desenrola todo o fio
Começa a ladainha
O tac tac da cegonha
Nunca pára, não faz ronha
Fala fala fala fala
Ó filha, beija-me e cala-te!…
Finalmente deitados
Sol e lua aconchegados
Abraço-a, aperto-a e digo:
Sou tão feliz contigo
Ela, ó meu querido,
E sussurra-me ao ouvido:
Lá começa a ladainha
O tac tac da cegonha
Nunca pára, não faz ronha
Fala fala fala fala
Ó filho, beija-me e cala-te…

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

21 respostas a Beija-me e Cala-te

  1. Tem o santo fadistra toda a razão.

  2. Ó minha linda menina, não é por ser Triste na orla da Sardenha que me vou eximir a lembrar-lhe que isto é um blogue de família. Um bocadinho de recato nunca fez mal a ninguém.

  3. Olinda diz:

    🙂 pois eu cá adorei a poesia lambona.:-)

  4. Ivone Mendes da Silva diz:

    Muito me ri, Eugénia. Isto é muito melhor do que kiss me stupid, há lá coisa melhor que um fado corrido.

  5. Com a correta técnica de engate encontra-se a mulher correta (ou homem):

    • Pois sim… não se engata aquilo que não se é.

      Adoro estes filmes, desde pequena, nem sei quantas vezes os vi e revejo nem que seja assim, aos bocadinhos, como um livro que se conhece de cor e abre em qualquer página para para ter o prazer de reler.

  6. António Barreto diz:

    Cheira-me ao dois tons.

  7. nanovp diz:

    Fiquei cansado e com pena do seu tipo sossegado…mas afinal acaba bem o que pode ter mal começado…

  8. ana moreira diz:

    Por esta ordem e com este ritmo, as palavras da Eugénia têm: sabor, forma, som e muito sentimento.
    Venha o fado e viva o beijo em silêncio. 😉

Os comentários estão fechados.