i- Homens dum raio! Meninas, não digam que não avisei…

Talvez porque não gostasse de pérolas, a minha avó deu-mas. Uma a uma. Às vezes esqueço-me delas. Mas dão um jeito do caneco: fica-se sempre composto e nunca saem de moda, é só actualizar o modo de as usar.
Pérola:
Nunca por nunca julgue um homem por si, mulher. São uma raça à parte. Isto para dizer o quê? Nós, quando precisamos de ajuda, gostamos de a ter, mas sem ter de pedi-la – esperamos telepatia porque somos, vá, telepatetas. Os homens quando querem ajuda, pedem. Logo, rewind, nunca por nunca ofereça ajuda a um homem. Se ele estiver enterrado até ao pescoço, deixe que esteja, ou sai sozinho ou pede ajuda antes da areia lhe entrar na boca. Porquê? Quando a minha querida lhe oferece ajuda, o que a cabeça dele ouve é: tu não dás conta disso sozinho. Porquê? Porque ao contrário dos cães, os homens ouvem mal a voz feminina, os agudinhos desconcentram-lhes as hormonas. E já que estamos nisto, para facilitar o diálogo inter-espécies, quando a minha querida precisar de ajuda, não espere que ele lha ofereça: peça-lha.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

18 respostas a i- Homens dum raio! Meninas, não digam que não avisei…

  1. Olinda diz:

    sou nadinha feminista, Eugénia. mais: encontro nas mulheres contemporâneas mais sarna do que nunca – e é por isso que sou pelos homens que apreciam telepatetas. 🙂

  2. marie diz:

    E se a voz feminina for mais sedosa do que “agudinhos”, já se pode oferecer ajuda?

    • Os homens ouvem os agudos como feminino – não estou a falar de estrídulo. Seda é o conteúdo. Nada! Não ofereça nadinha! Se ele pedir, valoriza, isto é uma raça de aliens, só de chicote, perdão, de seda… Olhe, de seda e chicote.

  3. celeste martins diz:

    Então não é que está cheiinha de razão !!! Agora percebo a voz agastada quando dizemos “queres ajuda”????? Qual que…qual ajuda…!!!!! Até dizem que um homem não chora !!!! Pois..pois….ui..ui….

  4. Por amor de Deus, Eugénia, todo o homem é um poço de sensatez. Aceitar a ajuda era desfazer na cortesia da oferta. Por isso é que, dois dias depois, vá lá, três, pede. É, como é que hei-de dizer, mostrar-se súbdito. Ainda quer mais humildade?

  5. Ouvidinho de tísico!

  6. Bartolomeu diz:

    Lá está! O positivismo do diálogo…

  7. Maracujá diz:

    Que lhe aconteceu, Eugénia? Enterrou-se o carro na areia da praia, foi? Com o Manuel Fonseca a grua só chegaria 3 dias depois!

  8. Bartolomeu diz:

    Hmmm… mesmo em apartheid é necessário que a língua não estaja morta…

  9. Luísa Tavares de Mello diz:

    Belo e justo este conselho. Uma verdadeira pérola.

  10. Rita V. diz:

    ‘Telepatetas’… é muito bom!

Os comentários estão fechados.