A Tempestade

A TEMPESTADE
Tenho andado a estudar a espessura das noites
a largura dos dias, a duração do tempo, a biologia do céu:
há uma via láctea inteira no mais escuro dos corpos
milhões de células brilham para iluminar o nada
onde a matéria se suspende se a espreitarmos
amorosamente perto para logo descobrimos:
o longe é mentira
Porque a vida é fisicamente interseccionista
– um poema de Álvaro de Campos tem mais realidade do que nossa separação

Não colecciono estes pedaços de informação
construo um barco que navegue a falsa distância
e me leve de volta a casa onde me esperas
onde sempre fui, de onde nunca saí

A chuva que oblíqua me molha
evapora-se do manto de Próspero
e do suspiro que oscila na expiração de Miranda
inspiração de Ferdinando

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

15 respostas a A Tempestade

  1. Olinda diz:

    arrebatador de tão interseccionista.

  2. adelia riès diz:

    So para dizer que o seu livro me divirtiu e interessou (pleased) muito.
    à bientôt,
    adelia

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Ou seja, e se interpreto bem, tem um lindo livro vulcânico entre as mãos. E, prodígios da Sardenha, um barco para a levar à ilha certa: de volta a casa.

  4. Este poema, Eugénia, situa-se muito para além de muito bom.

    E o meu primo Ulisses é seu tio? Temos de verificar esta genealogia, gostava eu muito de ser aparentada com a sua tia da mantilha a que deu destino de pashmina. Não desfazendo da Tia Escrever, há tias que valem por nove musas.

    • Merci, Ivone. Agora que somos parentela confesso: na minha família e arredores há um potencial de personagens e acontecimentos que chegam para um romance de 600 páginas, vá, 400 para não maçar o o leitor – tenho o futuro assegurado!

  5. Li várias vezes
    A cada leitura gosto mais do que a anterior
    E começa tão bem
    Que coisa!

  6. E não haverá bonança:

  7. Quando era pequenina, o Vasco Granja trazia fabulástica animação dos países de leste. Adorava aquilo – mas em crochet, ainda não tinha visto.

  8. nanovp diz:

    Suave e bela tempestade, que nos traz sempre de volta a casa….

  9. Maria do Céu Brojo diz:

    Tão bom, tão bom, tão superior a muito do que leio. Só para ter uma ideia gostei mais do que cozido à portuguesa que para mim é o topo.

Os comentários estão fechados.