Acabou-se, já não há mais

O meu cronista favorito francês, este Patrick Besson, fez uma crónica com uma longa lista das coisas que ele já teve a saudosa (in)felicidade de ver acabarem. (Desculpem os parêntesis, mas isto é quase como se vos estivesses a escrever de Paris.)

Os pêlos, por exemplo, onde é que estão esses pelinhos, graciosa pelugem por vezes, às vezes afirmação farta, que enfeitavam o sovaco das raparigas?

Uma pergunta ao Bloco de Esquerda: ainda há miúdas trotsquistas? Eram a alegria da Faculdade de Letras. A melhor companhia para ver e discutir um filme do Quarteto. (No céu onde estás, Pedro Bandeira Freire, agradece-lhes pelo muito que te deram).

Mas lá como cá, meu caro Besson, a LCI finou-se e com ele as belas e veementes  trotsquistas. Só não há quem assine a certidão de óbito ao idosíssimo MRPP. Andam com o cadáver escondido na mala do carro, de Heródes para Pilatos, a esconderem-no da China, e não há um médico espanhol, um dentista brasileiro, que o mande descansar em paz.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

12 respostas a Acabou-se, já não há mais

  1. Olinda diz:

    o que são miúdas trotsquistas?

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Seguidoras do (não assim tão grande ) líder que leou com a machadada na cabeça…

  2. Que boa memória a dos pelinhos. Também estão em vias de extinção mais abaixo do sovaco. A minha puberdade começou (bem clandestina) com eles, a enfeitarem as páginas da Playboy. Havia quem defendesse à época que a mulher sexy modelo tinha três características peculiares que lhe davam uma pimenta suplementar: era estrábica, tinha os dois dentes do meio separados e os tais pelinhos debaixo do braço.

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Pois é, Diogo, este blog tem de re-abrir o debate sobre essa matéria mais central.

  3. Pois é. Bem caçado, isto. E os sorvetes de máquina, onde estão? Fartei-me de gostar do anacronismo na mala do carro.

    Ps: os homens são um mistério… não sei se entre pelinho e depilação algum dia conseguiremos acertar no raio do mapa erótico.

  4. Manuel S. Fonseca diz:

    Ora aqui está a Eugénia a dar-me razão: está re-aberto o debate do mapa piloso-erótico da masculinidade,

  5. ERA UMA VEZ diz:

    Como reabrir o debate se a depilação hoje é DEFINITIVA???
    Tarde demais caro Manuel.

    Também nos filmes do Quarteto já roubávamos as gilletes lá de casa, isso é verdade
    .
    E mesmo quando não se sabia muito de política era giro dar ares de intelectualidade. Dizia-se por cá que as meninas da Faculdade de Letras iam à missa mas não dispensavam a pílula.
    E fugia-se à frente da polícia…em dias de cassetete, ai não…

    E este seu”terrível”jeito para provocar memórias…

  6. E onde é que está o Oeste? aqui, umas fotos para que não penses que o faroeste era John Fords, John Waynes, Gary Coopers ou Mel Brooks, aliás, as vastas pradarias do Oeste ficavam em Espanha de onde bem ventavam para Portugal:

    http://www.loc.gov/pictures/search/?q=timothy%20o%27sullivan&st=gallery

  7. E um pouco de techno francês em honra do libertador de Timbuktu:

Os comentários estão fechados.