Um dia parte isto tudo

partir tudo

Sim, é para pagar… são mais 10 mil, porque existe mais-valia! O senhor doutor, bem vê que comprou uma casa e a vende agora um pouco mais cara. Claro que as obras que nela fez deviam abater, mas passados cinco anos, já não contam. Também 10 mil euros para o sotôr não é nada, gente assim ganha o dobro disso por mês… ou mais!

Não sotôr, não pode pedir crédito à habitação porque trocou o artigo mais caro pelo mais barato. Não pode, pois é! Não tem dinheiro? Pois é uma maçada, mas os cinco mil euros de IMT e de os 1200 de imposto de selo vai ter de pagar. No total são 6200… e há as custas da escritura e isso tudo. Pois no conjunto é imenso dá para aí uns 20 ou 30 mil euros. Mas isso, sotôr, é uma coisa que o sotôr há de ter numa conta.

Não, o IMI que pagou não desconta. Pagou está pago, pronto. Bem vê sotôr, quando vende a casa já pagou o IMI que é municipal. O IMT é porque há mais valias.

Não tem? E o que vai fazer? Se calhar assim não pode fazer o negócio… Bem sei que estava a tentar ir para uma casa mais barata para pagar menos, mas o impostozinho tem de se pagar sempre. Não me diga que 20 mil ou 25 mil euros lhe fazem diferença…

Não acredito! O sotôr não vai partir isto tudo! Não vai pôr-se aos berros em cima da meu guichet e pontapear os papéis e os computadores! Não acredito!

Sotôr! O Sotôr enlouqueceu! Tenho de chamar a polícia! Bem sei que os impostos estão altos e que a classe média está toda lixada – ou fodida, se o sotôr prefere! – mas não é caso para nos irritarmos. Ó sotôr para que é que pagou o IVA todo das obras?… Está a ver, milhares de euros para nada… Não era preciso… Se calhar não devia ter pago… Nem tudo na lei é para levar à letra… Ó sotôr, desça do guichet, não dê pontapés no computador…

Pronto! Gosto de o ver assim mais calmo. Relaxe! Isso, respire fundo… Há de encontrar uma solução. Eu percebo a sua revolta. Eu percebo que um dia entra aqui alguém menos calmo do que o sotôr e parte isto tudo. Um dia alguém parte isto tudo!

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom.
Sem nunca me levar a sério – no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom
(e barato).

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

11 respostas a Um dia parte isto tudo

  1. Antonio Barreto diz:

    Faltará muito?

  2. celeste martins diz:

    Não falta muito para que os “brandos costumes” se transformem ” na ira dos justos” !!!

  3. Vitor vulgo diz:

    Tinha uma quinta a cair aos bocados de herança …pagava 20 euros de Imi e abri os cordeis á bolsa e investi o que nao tinha para fazer turismo rural e casamentos VEIO as finanças cehira olocal e passa o IMI para 4.000 euros depois pior ainda veio a Asae Obras mais a camara e tive que fechar turismo rural porque a burocracia era pior que fazer um hotel de 5 estrelas Aluguei a actividade de casamentos veio de novo as finanças e aplica a pastilha ao rendeiro de 650.000 euros paga e nao bufa …na zona de leiria havia 200 micro empresarios a a fazer casamentos hoje ha (?) seis
    vivoooooooooooooooooooooo a anarquia e o roubo

  4. Faltam as hordas do caos:

  5. João Pavão Nunes diz:

    Será que o sôtor estará ainda vivo, ou pelo menos mentalmente são quando, mais tarde, lá para meados de 2014 lhe apresentarem o “acertozinho” do IRS (pressupondo que, até lá, os impostos ainda não atingiram os 100% dos rendimentos do sôtor)?

    • Henrique Monteiro diz:

      Ó sotôr, eu sou como o outro. Quando não tiver dinheiro não pago, quando não pagar, sou preso, quando for preso sai uma notícia no Correio da Manhã, quando sair a notícia sou convidado para um concurso na televisão.

  6. Bruto da Silva diz:

    Já pode começar… a ter alguma esperança 😉

  7. Ó Tolo! diz:

    Bom texto, a retratar o que por aqui se vai passando.
    Pergunto-me muitas vezes porque é que anda tudo tão calmo, não há gente a partir esta gaita toda. O outro velhinho até já disse que ” por muito menos limparam o sebo ao D. Carlos” ( não sei se ele usou sebo…).
    Sim, este país está anestesiado? Onde estão os 40 conjurados que defenestrassem a corja?
    Tenho uma teoria. Óbvia, obviamente: ainda ninguém teve a coragem de pregar um tiro (ou dois… ou dez!)num destes gajos porque estes gajos são apenas actores. Muito em pagos, mas actores. De uma peça que é escrita muito longe daqui. Matava-se um ( ou dois… ou dez…) e vinham logo outros. Porque há sempre gente que acha que vale a pena correr o risco.

    E ainda há o outro lado da história: o concelho com maior poder de compra e mais letrados do país gritava ontem pelo dono que está na Carregueira. O Concelho onde mora Otelo ( ou morava…).

    De maneira que é assim, sotôr. Tenha calminha que isto, entre mortos e feridos, alguém há-de escapar.
    Como disse? Jantar comigo um dia destes? Por que não, sotôr? Eu até aprecio homens assim…com genica…que se descontrolam um bocadinho… Isto anda tão chato… ih! ih! ih!

  8. ninguém parte porque vem logo alguém arranjar mais barato
    (got it?)

Os comentários estão fechados.