Já não tenho ilusões

 

Não se iludam, o que vai para o céu não é a nossa vida, é a nossa morte.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

8 respostas a Já não tenho ilusões

  1. E para que iríamos com tanta bagagem e só de roupa usada?

    A despropósito: grandíssimo texto, o desta semana, na Atual sem c do Expresso – não há quem se não veja naquele imenso nada sem corrimão nem ouvidos. Minta, diga que foi um lapso e publique-o aqui agorinha mesmo, é fim de semana e o cinema precisa de fregueses.

  2. Mónica diz:

    Não se iludam o céu não existe o nosso ex-ser vivo vai para o solo

  3. nanovp diz:

    E as ilusões Manuel, morrem ou sobrevivem?

Os comentários estão fechados.