COLHEITA 2013

"Amazon uma, Amazon duas..."

“ai o caral… como é que vou agora comprar a edição especial do “Le Bonheur” em Blu-Ray?”

A três semanas do final do ano, aqui deixo a minha lista de melhores filmes e séries de 2013. Três notas:

– faço esta lista, na imprensa ou online, há uma década, e nunca cheguei a um alinhamento final com tão poucas longas-metragens de ficção (há cinco séries de TV na lista, o maior número até ao momento)
– bati o recorde de documentários entre os trinta escolhidos: sete
– nunca tive tanta necessidade de recorrer a títulos por estrear na exibição comercial portuguesa, vistos e/ou comprados fora do país ou em festivais: são 11 filmes no total

Enjoy.

– “The Place Beyond the Pines”, de Derek Cianfrance

– “The East”, de Zal Batmanglij

– “Après Mai”, de Olivier Assayas

– “The Rains of Castamere”, 9º episódio da 3ª temporada de “Game of Thrones”, de David Nutter

– “Q&A”, 5º episódio da 2ª temporada de “Homeland”, de Lesli Linka Glatter

– “The Fall”, mini-série, de Allan Cubitt

– “Top of the Lake”, 1ª temporada, de Jane Campion e Garth Davis

– “Les Salauds”, de Claire Denis

– “The Story of Film”, de Mark Cousins

– “Holy Motors”, de Leos Carax

– “Berberian Sound Studio”, de Peter Strickland

– “Upstream Color”, de Shane Carruth

– “Mud”, de Jeff Nichols

– “House of Cards”, 1ª temporada, de David Fincher

– “We Steal Secrets: The Story of Wikileaks”, de Alex Gibney

– “Drug War”, de Johnnie To

– “The Act of Killing”, de Joshua Oppenheimer

– “Take This Waltz”, de Sarah Polley

– “Lincoln”, de Steven Spielberg

– “Hannah Arendt”, de Margarethe von Trotta

– “Prisoners”, de Denis Villeneuve

– “Gravity”, de Alfonso Cuáron

– “Room 237”, de Rodney Ascher

– “Lawless”, de John Hillcoat

– “More Than Honey”, de Marcus Imhoof

– “The Hunt”, de Thomas Vinterberg

– “No”, de Pablo Larraín

– “Blackfish”, de Gabriela Cowperthwaite

– “Leviathan”, de Lucien Castaing-Taylor e Verena Paravel

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a COLHEITA 2013

  1. Maria do Céu Brojo diz:

    Da lista, vi meia dúzia. Ignoro se está correta, mas pela fé que em si tenho, acredito.

  2. Obrigada Pedro percebi que estava muito desactualizada
    😛

  3. Ana Rita Seabra diz:

    Bem, eu que até vou ao cinema com alguma regularidade, percebi que não vi pelo menos metade que consta na lista!!!
    Obrigado Pedro mais uma vez
    Adorei a fotografia do Ryan e a frase por baixo 🙂

  4. Pois é, Pedro, lá vou ter que mandar vir, de drone, da Amazon, e aumentar a dívida soberana. Agoa como é que fazes para gostar dó gentílissimo “Mud” e também do acinematográfico “Hanna Arendt” é que me estou a coçar todo…

  5. O meu atraso é quase do tamanho da lista. Estou vagamente deprimida…

  6. nanovp diz:

    Ai ai ! …estava aqui a ver se encontrava um comentário inteligente, mas talvez seja melhor assumir que afinal “só sei que (quase) nada vi”…

  7. Ana Rita, não imagina os quilómetros que fiz e as fortunas que não tenho mas gastei para ver este sopimpo conjunto… doutor, acinematográfico acho que ainda não está no meu dicionário da Porto Editora. Vê lá outra vez o filme, a ver se não se sente alguém a pensar enquanto se olha… Mas reconheço que é um gosto desgosto por emotivos critérios. A última coisa que quero é vê-la deprimida, caríssima Eugénia. Veja lá se nos dá o prazer de uma triste soirée em 2014. Vais ver que ainda muito verás, Bernardo, se bem te conheço.

Os comentários estão fechados.