Então!

 

 

Fischl__3860_Old_Mans_Boat_MD211

Eric Fis­chl
The Old Man´s Boat and the Old Man´s Dog
Em resposta ao desafio do Diogo aqui :

– Diz-me lá a sério, achas normal?
– ’tás a falar de quê?
– Do quadro que o Diogo pôs no Museu das Curtas.
– O que é que tem?
– O que é que tem? Já viste que aquilo parece uma daquelas coisas … percebes … que as pessoas fazem em grupo umas com as outras.
– ’tás parva!
– Não ’tou nada.
– ’tás a falar do quadro do barco com o cão?
– Tou!
– E o que é que tu vês no quadro?
– O que é que eu vejo no quadro?
– Sim, o que é que vês no quadro?
– Oh! vejo o mesmo que toda a gente.
– Tod’agente da polícia?
– Oh! Não. Todas as pessoas.
– Mas achas que todas as pessoas vêem o mesmo que tu?
– Não. Não ’tou a d’zer isso.
– Então?
– Oh! Percebes perfeitamente o que te ’tou a d’zer.
– Uhm. Então se calhar é melhor olhares ou melhor, veres um bocadinho melhor porque o que tu vês não tem nada a ver com o que eu vejo.
– Não?
– Não!
– Então? ’tás a gozar comigo. Só podes. Não vês que estão todos nus. Olha a posição dos ‘piquenos’ e do tipo agarrado à cerveja todo nu.
– Daqui a pouco vais dizer-me que o cão também entra na brincadeira não?
– Ai que horror … Isso agora és tu que ’tás a pensar.
– Ah! Já estás a perceber onde eu quero chegar.
– Então?
– Então nada! Há famílias que gostam de fazer nudismo não há? Com gato, cão e periquito.
– Sim e então?
– Então estes levaram o cão, os gémeos, a morcona da Alice que dorme em todo o lado e a vizinha púdica que gosta é de pescar à linha.Não ’tás memo’ a ver?
– … então e o da cerveja?
– Ah! Maria, Maria, então não se está mesmo a ver que esse é o marido da morcona, o pai dos gémeos, o dono do cão, o capitão do barco, o irmão da púdica e o amante do tipo que pintou o quadro?
– Ahhhhhhhhh! Então afinal eu tinha toda a razão!

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Museu das Curtas. ligação permanente.

16 respostas a Então!

  1. O que eu estou a ver é que está a nevar no texto. Está mesmo Rita, ou eu troquei os comprimidos hoje de manhã ? 😉

    • Rita V. diz:

      Ah ah ah está mesmo a nevar. O Nuno pregou-nos esta partida e está a levar dezenas ao oftalmologista.
      🙂
      (no iPad não se nota, fica o alerta)

  2. Isabe Mello diz:

    adoro o quadro, adoro os nus , adoro o cão….e gosto de ti!!!!!

  3. Ana Rita Seabra diz:

    ahahaha! Bela curta!!!! Não li o texto do Diogo…fui espreitar e vejo que está a nevar por todo o lado, será possível?
    beijinhos com saudades

  4. A Rita tem a certeza de que o pintor anada só a dormir com o dono do cão e do barco? Seja como for, desde que começou a nevar tenho a sensação de que todos apanhar um resfriado.

  5. Ó Rita, parece mentira, então não tapa os “piquenos”? Atchim.

  6. nanovp diz:

    Há pronto! Já percebi tudo! Afinal não era nada do que eu estava a pensar…e o mar está bravo!

  7. Rita, há qualquer coisa que me diz que ainda tens aí guardada uma versão hard da história. E digo-te que, para morcona, a Alice não está nada mal. Se tu autorizares, talvez arrisque uma prequela da tua história.

  8. Maria do Céu Brojo diz:

    Magnífico! Mais não digo. Não estou em dia de palavras, apenas de sentir.

  9. Pedro Bidarra diz:

    Bacanal a bordo é uma coisa muito normal. Uma vez em Ibiza, estava eu e dois amigos num veleiro quando nos cruzamos com outro veleiro de pavilhão inglês. A bordo um inglês de meia idade com a namorada que njão tinha mais de 26.
    (continua)

Os comentários estão fechados.