Homenagem e Luto

Nelson Mandela - Peter Engels

Nelson Mandela – Peter Engels

Nelson Rolihlahla Mandela ou Madiba (Mvezo, 18 de julho de 1918 – Joanesburgo, 5 de dezembro de 2013)

Nelson Mnadela - Hand Circle

Nelson Mandela – Hand Circle

Feito na prisão, um dos desenhos de Nelson Mandela. A mão aberta como símbolo de liberdade e espírito fraterno.

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a Homenagem e Luto

  1. ERA UMA VEZ diz:

    Um Cristo negro visitou a terra
    braços abertos
    sorriso calmo
    alma lavada
    e a cruz à sua espera

    roubaram-lhe
    vida conforto
    a luta desejada
    o pôr do sol austral
    (nunca lhe roubaram liberdade)

    …e ainda veio a tempo
    (sobrou-lhe idade)
    para acender na escuridão o seu sinal
    para viver os seus amores
    e deixar o seu olhar sereno num terno abraço à humanidade

    quem dera que tenha adormecido
    a sonhar com anjos de todas as cores
    —————————————————————————————————————————-

    (Para a Maria do Céu e todos os que” o” sentem como nós)

  2. Tem razão, Céu, há vidas que são em si mesmas uma homenagem à vida.

  3. Fazer o luto de Mandela é dançar, como aliás dança a luz no sorriso dele.

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    Dancemos então até a mágoa aliviar.

Os comentários estão fechados.