Natal não é quando um homem quiser

 

A frase que mais me irrita é esta: “o Natal é quando um homem quiser”. Não é nada! O Natal é agora, é hoje, mesmo que um homem não queira, mesmo que não lhe dê jeito. O relativismo de “a minha vida decido eu” ou do “não há calendário que me vença” trouxe-nos à crise do individualismo, do financeirismo, do egoísmo sem barreiras. 

Na verdade, o Natal é quando muitos homens quiserem. Ninguém é fraterno sozinho, ninguém é uma ilha, como escreveu Donne. Precisamos um dos outros, da família, dos amigos, da tribo, da nação, do mundo. O Natal é quando todos quisermos e nos pusermos de acordo. O meu Natal, o nosso Natal, ó tia e ó tristes, é esta noite e amanhã. Porque foi o Natal dos nossos avós e já é o Natal dos meus netos. Não é quando eu quiser, porque faço parte de uma corrente – sou um elo e não o centro do mundo. 

Rais parta as frases feitas.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

4 respostas a Natal não é quando um homem quiser

  1. tchin tchin também para ti hoje e amanhã. Para a semana logo se vê!
    ah ah ah

  2. mónica diz:

    o natal é qdo um homem quiser quer dizer q n há data marcada para juntar a familia e os amigos. mas de resto subscrevo o q escreveu, “eu sou um elo e não o centro do mundo” é para se escrever 100 vezes no quadro!!!

  3. nanovp diz:

    Nada é quando o Homem quer…

  4. António Barreto diz:

    Porém, qualquer homem pode, a qualquer momento, protagonizar os valores natalícios.

Os comentários estão fechados.