Os outros Actos dos Apóstolos

FALAVA EM LÍNGUAS COMO OS ANJOS
Lugares terríveis são as florestas
quando a noite se fecha no escuro
e o canto se cala na voz dos ramos
e o vento sobra em redor das sombras
Foi do sol que se fizeram as trevas
Foi da lua que se fez o sangue
– oh meu Deus –
Debaixo das folhas mortas
pude adormecer no casuloso frio
houve a vontade cristalina e negra
caída das redondas copas em farpas tão agudas
agulhas geladas de pinheiro no coração primeiro

Ao longe ouvia ainda
falava em línguas como os anjos
a lírica viva e de fogo líquida:
O amor levanta as árvores pela raiz para enterrar
lanternas que nasçam frutos amanhecidos

Que quer isto dizer?

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

9 respostas a Os outros Actos dos Apóstolos

  1. Quer dizer que não bastam raízes: sem a palavra não há frutos.

  2. A Eugénia é que fala a língua dos anjos, essa é que é a verdade.

  3. riVta diz:

    que uma pessoa chega ao fim sem saber que lhe dizer e volta a ler
    😀 e depois de voltar a ler não tem vontade de dizer

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    … que as palavras faltam para dizer o que quis dizer. Só uma me ocorre: inquietante.

  5. Quando os apóstolos falaram em línguas todos os entenderam como se lhes falassem na sua própria língua a despeito da nacionalidade pois estavam várias presentes e ao fim perguntava-se o povo que os ouvira: que quer isto dizer? Talvez a poesia seja em línguas.

  6. nanovp diz:

    Que o amor arranca árvores e vence o escuro, que o que as palavras dizem poucos sabem entender…

Os comentários estão fechados.