Pergunta uma

Qual a razão da inexistência de exames nacionais para aceder ao cargo de ministro?

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

32 respostas a Pergunta uma

  1. José Pedro Rodrigues diz:

    Provavelmente vem no livro que falta ao Henrique Monteiro para saber tudo…

  2. Mario diz:

    Quais sao as opcoes (para eu por a cruzinha)?

    • Maria do Céu Brojo diz:

      1. Porque aceder a ministro é desígnio sobrenatural.
      2. Porque as (in)competências são a(ssas)sinadas pelo primeiro Ministro e vinculadas pelo Presidente da República.
      3. Por bastar ter «amigos» mandantes.
      4. Por não possuírem nos curricula diplomas timbrados pelos Politécnicos.
      5. Porque para eles serem despiciendas credibilidades das universidades onde foi caçado o diploma que os licenciou.

      • Mário diz:

        Estou tramado, parecem-me todas válidas, se eu falhar será que já não vou a ministro? espero que os meus colegas da bolsa de candidatos a ministro façam greve ou façam muito barulho, a ver se adiamos isto 🙂

        • Maria do Céu Brojo diz:

          Vai, vai. Se bem proceder de acordo com os mandamentos amigalhaços verá! Por mim, posso contribuir com buzinão de apoio à porta do local onde responderá a exame com eira e beira. Sim, porque isto de exame a ministro é para ser levado a sério.

        • Maria do Céu Brojo diz:

          A propósito de «balhelhas». Termo que aprendi no Norte e na Beira. Lerdo, lento na compreensão. O dicionário diz: “balhelhas como regionalismo de Portugal de uso informal, pejorativo, e diz que é o «mesmo que balhelha». Acrescenta ainda, em relação à etimologia, «balhelha + -s expressivo». Sobre balhelha, diz que se trata de palavra de «origem obscura» e é «aquele que é ou se tornou bobo, tolo, aparvalhado».”

  3. Mas já existe essa prova…!

    É certo que ainda não está concluída mas, ainda assim, já dá para perceber o estilo. Caso queira conferir, aqui lhe deixo o link:

    http://umjeitomanso.blogspot.pt/2013/12/as-perguntas-da-prova-de-avaliacao-de.html

    Cumprimentos.

  4. riVta diz:

    venham mais perguntas dessas
    pode ser que venha algum barrete com a resposta

    • Maria do Céu Brojo diz:

      E tantas perguntas, eu a mulher dos porquês, tenho para fazer. O lastro genético e o da ciência são culpados. Olha se não os tinha! Olha se era bovina! Odiar-me-ia.

  5. António Barreto diz:

    Shumpeter tem a resposta.

  6. nanovp diz:

    Tinham de ser exames de “cruzinhas”…

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Mais fáceis de corrigir e copiar pelos vizinhos do lado. Malgré os vigilantes, um dedo no ar significa resposta certa hipótese 1, dois erguidos, resposta 2, e por aí fora. Muitos anos a vigiar exames confere este saber.

  7. ERA UMA VEZ diz:

    Mas eles têm de PROVAR alguma coisa???
    Oh Maria do Céu…vá lá, isso também já é exigir de mais.

    (Fico contente que tenha conhecido a minha amiga UM JEITO MANSO. Vai ver que vai gostar. Óptima descoberta)

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Exigir demais, caríssima? Olhe que não. Quanto ao conteúdo do parêntesis ignoro que seja a sua amiga Um Jeito Manso. Não poderá ter a fineza de me explicar isso por miúdos? Agradecia.

  8. cc diz:

    Excelente pergunta…o exame poderia ter só essa, creio que mesmo assim o ministro não saberia responder.
    ~CC~

  9. ERA UMA VEZ diz:

    Olá Maria do Céu

    Claro que quando eu falava em “exigir demais dos meninos” era mesmo a ironizar… Para mim já reprovaram em todas as provas, sobretudo porque estão a aproveitar a onda para a cavalgar a seu favor “ideologicamente”…Há conceitos e atitudes que julguei não ser possível mais neste País.E no entanto…

    Quanto ao “Um Jeito Manso” é um dos blogues que frequento diariamente e (coisas da blogosfera) mantenho com a sua autora uma proximidade e amizade que se tem vindo a cimentar sem nunca nos termo visto. Curiosamente, já por várias vezes estivemos a metros de distância e só depois ficamos a saber que isso aconteceu.
    O que lhe queria transmitir é que fiquei surpreendida e contente por perceber que já ” se encontraram também neste mundo virtual”

    Um abraço.

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Visitei o “Jeito Manso” e gostei. Muito, para que conste. Teria gosto em conhecer a autora que tão bem diz o que diz. A um encontro a três o que responde?

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Muito obrigada pelo esclarecimento. Gostei de melhor entender. Festas Felizes.

  10. ERA UMA VEZ diz:

    Por mim seria uma excelente maneira de iniciar o ano.

    A 3 de Janeiro penso completar a última cirurgia de uma saga de três seguidinhas e assim que estiver fora do estaleiro, estou pronta. Vamos a isso.

  11. ERA UMA VEZ diz:

    Que seja pelo menos o Melhor Natal do Mundo!!!

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Assim lho desejo. Que sorria, sorria sempre e fantasie arco-íris sem negrumes conjurados.

  12. mónica diz:

    chama-se sufrágio..acontece de 5 em 5 anos ou de 4 em 4 anos, etc

Os comentários estão fechados.