Chegar

Às vezes, a distância mais curta entre dois pontos é a que demora mais tempo a fazer.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

14 respostas a Chegar

  1. O que à partida indica que algo estará mal…

    ( Frase simples e tão complexa ao mesmo tempo… :))

  2. Ou bem, Carla. Ça dépend. Comigo funciona, dou-me bem com o tempo e a certeza, mas mal, muito mal com mapas e planos.

  3. Mario diz:

    Bem, como eu ando de muletas para baixo e para cima quer dizer que estou a encurtar distancias? 🙂

  4. O Pessoa, ou os fantasmas dele, nunca saía do mesmo ponto. Viagem infindável.

  5. nanovp diz:

    Há distãncias que requerem um tempo infinito Eugénia…às vezes tão perto de nós…

  6. juan diz:

    “O essencial é invisível para os olhos…só se vê bem com o coração”.
    ( Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry )
    Há caminhos que não conseguimos ver por mais óbvios, ou curtos, que sejam.

    • Isso explica muito: sou o tão balalão da cabeça de cão: não tenho coração. 😀

      • juan diz:

        Menina Eugénia.
        O caminho mais curto, o essencial, não é visível porque é o resultado de todos os outros caminhos, curvilíneos, tracejados, interrompidos, e tantos outros bons e menos bons, que tivemos ao longo da vida e que guardámos para nós, no coração.
        A essência é a parte pura da amalgama que contribui para o produto final.
        O caminho é um constante chegar e voltar a partir.
        Já dizia o poeta espanhol A.Machado: “Caminante, no hay camino,
        se hace camino al andar”.

  7. e quando chegar é partir?
    😀

Os comentários estão fechados.