Fado à sombra do rio

FADO
À SOMBRA DO RIO
Eu sei de um lugar
à sombra da curva do rio
à hora em que ninguém vem
Dentro desta água corre o mar
de além
e a voz que mundo tem
é aqui que a vem cantar
E é por isso que sei
mais de mil e um segredos
E o teu coração sei também e
os teus passos as tuas horas
quando ris e porque choras
Não te espero
nunca virás
Não me esperes
não posso
Entre nós está o rio:
é o do tempo que não foi nosso

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

15 respostas a Fado à sombra do rio

  1. Mario diz:

    Nao se arranja ninguem para musicar a letra? podia ser uma superstar 🙂

  2. Espero é que haja vida para além do fado, pois do rio não se lhe conhece regresso:

  3. nanovp diz:

    Que a espera seja na sombra das águas que passam…

  4. Paula Santos diz:

    Basta-me um segredo.
    Deixo-te os outros mil. Faz com eles uma jangada e atravessa o rio que, tal como o tempo, também não foi nosso.
    Nunca saberás porque choro.
    As respostas repousam muito além da curva do rio.

    🙂

  5. Só no poema é que de alguém se sabe o coração, os passos e as horas. E é da incerteza de na vida os sabermos, que nos versos se alinham, obedientes, coração passos e horas, e já não sabemos se rimos ou se alguém chora.

  6. Pedro Bidarra diz:

    Confesso que se um dia ouvisse cantar um fado meu morreria feliz.
    Da escrita, era tudo o que queria: um fado

Os comentários estão fechados.