Talvez não saibas os verbos

AMOR & OUTRAS INUTILIDADES Lda

iii

O VERBO
Dizer amei-te, amava-te, amar-te-ei,
é afirmar uma impossibilidade:
o amor não é a torneira, é a água.
Amar é um verbo. O Verbo.
Para ser conjugado preterita
ou mesmo imperfeita ou futuramente,
como nós, gente do tempo e fora dele,
do erro e do acerto,
da matéria e fora dela,
tem de ser conjugado no presente.
Amor é amo-te.
É no presente, não noutro lugar qualquer,
que está a eternidade.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

10 respostas a Talvez não saibas os verbos

  1. Mario diz:

    E no entanto e tao dificil dizer nao e? e quando dito parece que nao soa bem, nao tem a leveza do “eu te amo” brasileiro. E estranho.

  2. É difícil porque o pronome pessoal reflexo, também nos reflecte. E se não gostamos do espelho desse nós, o amo que vem antes do tal te é fodido. (Não digo palavrões, só os escrevo, portanto, se me ouvir quando me lê, ouça lixado.)

    • Mario diz:

      Acho que temos uma pessima relacao com a Lingua. Escreve-se mal, verbaliza-se mal. Nao sao so as cartas de amor que sao ridiculas. Quase tudo o que se diz e escreve sobre o amor e ridiculo. Por isso e que se gosta do que escreve. E porque nao e ridiculo. E um caso de amor o seu. Amor pelas palavras. Amor pelo amor. E o nosso cirano. E facil cair de amor pelo que escreve.
      Ps: uma vez que se esta a falar de amor o palavrao em causa nao parece desajustado

  3. O amor foi sempre mais gramatical do que parece. Conjuntivo e condicional, pretérito e futuro. Foi água, sim, mas também fogo. Foi barro e telúrico, um ar leve e etéreo. E foi poético, como o seu que é, ali em cima, eterno em 13 versos.

  4. Tudo no universo é gramatical, até o que não parece: podemos é não conhecer as regras e chamar-lhe caos quando é mau e magia quando é bom.

    Já me ri, o seu “foi/torneira” fez-me lembrar o Woody Allen: Não só não acredito em Deus como não consigo encontrar um canalizador ao fim de semana.

  5. nanovp diz:

    Amar é só hoje, amanhã já pode ser tarde….( e o que me ri com o Woody!)

  6. Paula Santos diz:

    Tal e qual. O presente é o lugar que existe. Existe?

    À memória chega-me aquele repto lançado pelo Professor de Filosofia que, colocando uma cadeira em cima da mesa, desafia os seus alunos a provarem que a cadeira não existe. Enquanto as canetas se lançam em explanações ávidas de respostas há uma voz que surge à frente e pergunta: qual cadeira?

    🙂

    • EV diz:

      A mim foi-me explicado que o que existe é a eternidade e o que percebemos que existe é o tempo, mal comparado é como sabermos que a terra gira, mas o que vemos é o sol a mexer-se.

Os comentários estão fechados.