Vermelho, verde, azul

 

 

Nesta nova categoria – Trasladações e Outras Ossadas – os Tristes deste blog recuperam, de anteriores cemitérios onde escreveram, posts, crónicas e outras derivas.

Egon_Schiele_re

Nen­hum ver­melho é tão ver­melho como os ver­mel­hos de Egon Schiele.

Girl with Green Stockings

Detesto o verde, mas abro aqui tímida excepção.

??????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Atrevo-me a dizer que este azul de Schiele é mais do que sump­tu­oso. É escan­dalosa e ile­gal­mente sump­tuário. Temos tendên­cia a acred­i­tar que a obra de outro aus­tríaco, Klimt, é um exem­plo de luxúria. Mas o essen­cial traço do desejo, o desejo pleno, sem artifí­cio dec­o­ra­tivo, não é de mestre, é de Schiele, seu discípulo.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Trasladações e Outras Ossadas. ligação permanente.

14 respostas a Vermelho, verde, azul

  1. António Barreto* diz:

    Isto é muito forte Manuel.

  2. Mario diz:

    Nao e o uso da cor uma mera manobra de diversao?

  3. E… não há purpúreo mais purpúreo:

  4. Pedro Norton diz:

    Tive a sorte de visitar o Leopold Museum em Viena, que, julgo, alberga a maior colecção do mundo de quadros e desenhos de Schiele. Fiquei de todas as cores.

  5. Ana diz:

    Adoravelmente triste, estou adorando… mas isso de vermelho e verde, veja a Marisa Paredes na Flor dos segredos almodovanos… ficou de arrepiar!!! Abraços brasileiros.

  6. Vem para aqui por o blog ao léu e ao rubro e depois chama-lhe ossadas ou lá o que é!

  7. nanovp diz:

    E o contraste com a pele clara, também ela uma cor…

Os comentários estão fechados.