A fase da mão na mama

Cupido com a mão na dita

Cupido com a mão na dita

Primeiro as desculpas. Porque eu não domino uma irresistível tendência para a subversão e este texto é escrito a letras de óleo. Depois porque o quadro é, com um ou outro retoque, roubado a mim mesmo, de um Delito de outros tempos. Preguiça dirá a Tia. “Ousa despir-te e como a alva Vénus e depois falamos”, respondo-lhe eu que também tenho direito a ser Fonchito.

Finalmente pelo título. Falta, e em rigor nunca haverá, uma justificação para o título. Ordinária expressão com que, ordinários rapazes a dar os primeiros passos nestas coisas do amor, celebrávamos a primeira e mais polposa de todas as conquistas. Bronzino, já se vê, era homem de outra erudição e outro refinamento nunca se lembraria de tamanha grosseria. Chamou-lhe “Uma alegoria com Vénus e Cupido” e eu reencontrei-a pendurada em Londres há um par de anos, com o mesmo lúbrico deleite com que o Duque Cosimo de Médici terá olhado para ela a primeira vez.

A generosa senhora, alva, redonda, gentilmente depilada, é, adivinham-no, Vénus, elle même. Anacrónica, carrega na mão a dourada maçã. Presente de Páris, passado da culpa e futuro dentado de todos os pecados. Delicadamente incestuosa, insinua a língua, serpentífera, nas profundezas rosadas de tão infantis, da boca do jovem Cupido que sabemos bem ser seu filho. Marte que se queixe se não lhe faltar bélica coragem. O sátiro e a ninfa, esses, jazem já, feitos máscaras, impotentes, a seus pés.

O rapazinho luminosamente risonho que, mais à direita, lhes lança botões e pétalas de rosa é o Prazer. Está feliz e mal imagina que, para desgraça da humanidade, seria hipocritamente proscrito do reino dos céus. Atrás dele, a mão esquerda perdida no braço direito, a mão direita enxertada no esquerdo, espreita, inescrutável, a menina Vingança. Para que não restem dúvidas de que é pecado e desejo de fêmea, a doçura cândida do rosto por momentos quase consegue esconder o corpo venenoso de escamas, a cauda traiçoeira e o mortal ferrão que se abriga, latejante de perfídia, no espaço infinito que vai de um polegar a um indicador de lolita.

Cinzento, de um cinzento que só o verde sabe ser, do lado oposto do quadro, abriga-se, torturada em remorsos, sintomaticamente escondida por trás do rabo do jovem efebo, a sifilítica inveja (ou a invejosa sífilis, é como queiram) que, nesses idos de 500, torturava, ao que dizem, meia Europa.

E é, percebe-se bem porquê, para esconder toda esta mitológica pouca-vergonha que o Esquecimento tenta lançar um firmamento azul, um véu redentor, sobre toda a cena. Esforço vão. Porque é para que que ninguém se olvide desta babilónica escandaleira que o pai Tempo lhe corta, vigoroso, o puritano ensejo.

Existirão, concedo, quadros mais bonitos e pintores com mais cartel. Mas esta “Alegoria” numa coisa não tem igual. Não conheço desculpa mais culta para apreciar civilizadamente pornografia.

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Está Escrito, Post livre. ligação permanente.

6 respostas a A fase da mão na mama

  1. Pedro, desafio-te a vires aqui tratar, com a mesma subversão e erudição, a fase do mapa, segunda etapa de quem se inicia nessas coisas do amor.

  2. A Vingança é a cara da Madonna quando era novinha! E claro, a pornografia em condições exige uma fartura de civilização.

  3. Escrever é Triste diz:

    O menino Pedro é tão preguiçoso que até para o que quer manda primeiro despir esta sua vetusta Tia. É que nunca mais lhe ofereço um par de peúgos, quanto mais uma t-shirt.

  4. Grande escritor, este Bronzino. E que bem pintado Mr. Norton. É bonito de ver como o rebelde mamilo se escapa, em erecto orgulho, entre os dedos do rapaz.

  5. riVta diz:

    Gostava de saber o que dirias das Fases da Lua?
    😀

  6. nanovp diz:

    Interessante percurso este, da fase da mão na mama para a civilização, digo pornografia…

Os comentários estão fechados.