Da Minissaia ao Derby Mouro no Estádio da Luz

Greg Horn

Greg Horn

Rosnava o “Antigo Regime”. Em Coimbra, passei da primária para o rígido Liceu Feminino Infanta D. Maria. O ‘Infanta’ ou ‘D. Maria’ como era chamado tinha instalações de privilégio. Porém, e não me lembro do porquê, altura houve em que aulas decorriam em anexos/caixotes cobertos com chapa de alumínio e separadas as salas por tabiques que pretendiam ser isolantes térmicos e acústicos. Todavia, não eram nem uma coisa nem outra: os painéis, deteriorados, expunham curiosa matéria que se dividia em mil pedaços semelhantes a finas lâminas translúcidas. Soando a campainha para intervalo, as alunas entretinham-se a puxar mais e mais do revestimento. Brincadeira diária e repetida de cinquenta em cinquenta minutos. Fomos proibidas de o fazer pela instrução de perigo terrível. Mas continuámos. Antes isso que ser alvo das torturas da Maria dos Craveiros que, além de jardineira voluntária, era vigilante tenebrosa dos comportamentos. Lembro-a zelando pelo vestuário das alunas – minissaias e calças proibidas, o mesmo com pernas nuas chegado o calor de ananases por volta de maio e junho. No Inverno, arribando o frio da Estrela, batas por cima das saias, saias por cima das calças. Meias obrigatórias ainda que calorões apertassem. Três hipóteses neste particular: soquetes, meias pelo joelho ou de vidro. Tendo dúvidas, a Maria dos Craveiros beliscava as pernas. Outras funções cumpria a mando da reitora: zelar para que nos corredores escolhêssemos direita ou esquerda conforme o destino e que nem uma aluna se aproximasse do muro que nos separava do corta-mato por onde desciam, terminadas aulas, os rapazes do liceu masculino. Estes obrigados a permanecerem a mais de cem metros dos limites da escola. E permaneciam. E nós sabíamos. E, quando libertas, os amores aconteciam. Certo é ter chegado à faculdade com meias pelo joelho, sapatos de verniz rasos e abotinados, saia ‘kilt’ a lembrar cinto largo, maxicasaco preto com fenda atrás até à cintura.

Autor que não foi possível identificar

Autor que não foi possível identificar

Desta arenga, sobra o que me traz aqui – lã de vidro. É material que começou a ser utilizado na década de 1930 sob a forma de filtros para a indústria. Posteriormente, serviu para isolamentos contra ruídos e temperatura. A fibra de vidro, nome comercial,  descreve produto manufaturado a partir do vidro e convertida numa teia fibrosa. Mais tarde, seria conhecido que as pequenas lâminas constituintes nada mais são que pequenos alfinetes que o tecido pulmonar atrai. Quando inaladas, ao redor de cada espetadela, micro infeção. Muitas implicam doença oncológica dos pulmões. Se em contato com a pele os riscos existem à mesma. A condição primeira do uso da lã de vidro é não ficar em ambientes aeróbios, ou seja, onde possa haver circulação de ar. Por isto, é utilizada em divisórias, revestimentos e tetos, devidamente calafetados. Curioso é recordar terem sido desmantelados pela periculosidade os contentores em que tive aulas e continuar em uso a lã de vidro. O Estádio da Luz como exemplo até ao expoente da ‘Stephanie’.

Desde ontem, que ninguém se entende quanto à natureza do material caído em farripas no relvado. Começaram por lhe chamar lã de rocha. Acabaram em fibra de vidro. A diferença entre os dois materiais é o primeiro ter origem basáltica e o segundo areia com silicatos. Riscos de uso parecidos. É evidente não estar em perigo a saúde dos adeptos porque expostos uma só vez à divisão do revestimento. Problema é se dali foram hoje para o trabalho costumado em ambientes com amianto – as fibras do amianto possuem estrutura cristalina e multifilamentosa e podem dividir-se em minúsculas fibras que se alojam nas regiões interiores do pulmão. O organismo, ao encontrar dificuldades em encapsular e eliminar essas fibras, permite que passem maior tempo dentro e causem danos superiores.

Tedioso este rabisco. Porém, ao ver cair fiapos da cobertura do Estádio da Luz, ao ouvir dissertações hilariantes sobre qual dos clubes no derby «mouro» sairia beneficiado pelo adiamento do jogo devido a tormenta seguinte à ‘Hércules’, antes fora a ‘Gong’, não me contive. Memórias adolescentes de ignorância, “«coisinhas» flutuantes na relva”, juro que ouvi e vi um doutor da bola grasnar isto, socaram-me a paciência.

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a Da Minissaia ao Derby Mouro no Estádio da Luz

  1. Maria, toda a meiinha de vidro redime o jogo que não se fez.

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Sábias palavras. É preciso conhecer muito do mundo para em palavras curtas fazer esta síntese.

  2. nanovp diz:

    E ninguém pensou que fosse neve, pura e branca neve….por isso concordo com a entediante discussão sobre que tipo de material era afinal…

  3. Bruto da Silva diz:

    havemos de sofrer (e morrer) de muitas outras maneiras: praxes, automóveis, shots, silicones, butoxes, drogas, estresses… o mal é das periculosidades serem maiores nas grandes cidades 😉

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Ora bem! Mas se estiver nas nossas mãos impedir nem que seja por denúncia males outros, arrisco e «boto faladura».

Os comentários estão fechados.