O anjo de Dürer

 

O anjo de Dürer passou por mim.

Bem lhe ouvi
o sopro morrente
da voz que caía para os lados
da tarde.

Da tarde à mágoa
vai o passo de um anjo,
um novelo de água,
uma asa de sombra.

durer_melencoliaI

Sobre Ivone Mendes da Silva

Entre lobos e anjos me habituei a escrever. É talvez por isso que, para além de asas e de uivos, as palavras me tropecem e não encontrem sozinhas o caminho das folhas. Nessas alturas, peço para elas a bênção da tristeza, musa de sopro persistente, que triste me faz e a acolhedoras mesas me senta.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a O anjo de Dürer

  1. Manuel S. Fonseca diz:

    Um anjo e o manso cordeiro da melancolia.

  2. António Barreto* diz:

    O inconfundível prenúncio de que algo novo virá.

  3. Pedro Bidarra diz:

    Da tarde à mágoa…
    Sabe que há uma condição que se chama “sundown sindrome”?

  4. nanovp diz:

    Passam tantos por nós Ivone…uns melhores que os outros…

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    Momento da prazer. Talvez pela mestria, talvez porque curto e belo.

Os comentários estão fechados.