Fugi dos meus sonhos

 

Foi o último sonho da manhã. Ia a conduzir e numa rotunda (há rotundas nos meus sonhos) aparece-me um carro em contra-mão. Guinei, derrapei ligeiramente para a esquerda, controlei o veículo, mas não consegui evitar que, a traseira presumo, que não se via bem no meu sonho, batesse num dos carros da outra fila. Não cheguei a sair do carro para ir ter com o lesado. Acordei e saí do sonho.

A fuga do local da ocorrência há-de ter, por certo, as suas consequências. Vão tirar-me a carta. Não poderei voltar a conduzir nos meus sonhos. 

 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

14 respostas a Fugi dos meus sonhos

  1. antonio diz:

    Sr. Fonseca ,por acaso no pais de seus sonhos nâo conheceria alguém para que … nâo tivesse acontecido esse sonho

  2. Tens que escolher melhores estradas:

  3. António Barreto* diz:

    Vivendo, pode fugir-se da vida?

  4. nanovp diz:

    Cuidado Manuel, até nos sonhos se pagam multas e impostos…

  5. Pedro Norton diz:

    mas ó dr, à rotunda há de voltar. e eu vou às suas cavalitas se não for pedir muito.

  6. A rotunda é como o Carrossel da Selva: há sempre mais uma volta, mais uma viagem.

  7. Maria do Céu Brojo diz:

    Se conduzisse tão mal quanto eu, estava habituado. Porque a realidade ultrapassa os meus pesadelos, destes não tenho.

Os comentários estão fechados.