Marxismos

 

“Out­side of a dog, a book is man’s best fri­end. Inside of a dog it’s too dark to read.”

Grou­cho Marx.

Sobre Pedro Bidarra

As pessoas vêm sempre de algum sítio. Eu vim dos Olivais-Sul, uma experiência arquitecto-sociológica que visava misturar todas as classes sociais para a elevação das mais baixas e que acabou por nos nivelar a todos pelo mais divertido. Venho também da Faculdade de Psicologia da clássica, Universidade Clássica de Lisboa onde li e estudei Psicologia Social e todas as suas mui práticas teorias. Venho do Instituto Gregoriano de Lisboa onde estudei os segredos da mais matemática, e por isso a mais emocional e intangível de todas as artes, a música. E venho sobretudo de casa: de casa das duas pessoas mais decentes que até hoje encontrei; e de casa dos amigos que me ajudaram a ser quem sou. Estes foram os sítios de onde parti. Como diz o poeta (eu): “Para onde vou não sei/ Mas vim aqui parar/ A este triste lugar.”
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

4 respostas a Marxismos

  1. Paula Santos diz:

    Já pensei em fazer escorregar um led pela goela do meu Brownie 😉

  2. Há uma editora portuguesa que tem a frase esparramada nos sacos de oferta dos livros

  3. nanovp diz:

    So: a dog is not dark !

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    Lembra-se duns folhetos dum qualquer banco que reproduzia estes dizeres? Guardei alguns. Problema: não sei onde.

Os comentários estão fechados.