Mon coeur s’ouvre à ta voix

Foi num desconsoladíssimo ano que comprei este livro no qual, então, durante o tempo de leitura acreditei porque acreditava no autor como escritor. Lembrei-me entretanto que ele se tinha suicidado. Depois disso, fiz uma das coisas que sempre faço: pus a Callas numa gritaria como se não houvesse amanhã. Talvez não haja consolo. Mas se mon coeur s’ouvre à ta voix, há beleza.

 

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

9 respostas a Mon coeur s’ouvre à ta voix

  1. Pedro Norton diz:

    Porque é que os escritores se suicidam?

  2. O Lobo Antunes que é escritor e psiquiatra diz que a escrita é uma fuga da depressão. Talvez esteja certo. Penso que está errado: os escritores sofrem de excesso de lucidez, não há alfabetos de fuga. E a beleza também mata.

  3. Será que um escritor se mata quando acha que há mais beleza na morte do que na escrita?

  4. riVta diz:

    morrer não é reescrever?

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    À maneira ‘d’une petite mort’ musical?

  6. Pois é meninas e doutor… o Manuel Fonseca publicou a Loja de Suicídios, vamos perguntar-lhe? Eu ainda não li.

  7. Zilda Cardoso diz:

    Que agradável lê-la! Não quero ser triste, não sou nada triste, mas gosto de comentar!

  8. nanovp diz:

    Haverá sempre consolo, com a Callas ou tantos outros…

Os comentários estão fechados.