Os teus olhos

Poema_

x

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

10 respostas a Os teus olhos

  1. GRocha diz:

    UAUAU Lindo!

    Tomara que o dono dos olhos bem abertos, saiba dar valor a alguém que diz coisas tão profundas, apaixonadas e bonitas.

    cinco estrelas !!!!

    • Cara GRocha uma das vantagens de somar, colar, apagar, virar, achar, adaptar, acumular, afinar, afundar, etc… palavras é nem sempre terem origem no outro. Do falar eu já não diria o mesmo. O seu comentário é muito simpático, permitiu-me pensar se eu estava realmente a pensar nos olhos de alguém.

  2. Maria do Céu Brojo diz:

    Sempre os olhares que me seduzem.

  3. Mário diz:

    O que dizem os seus olhos? 🙂

  4. nanovp diz:

    Os olhos vêem e deixam-se ver…

Os comentários estão fechados.