Pela minha palavra

HÁS-DE CONHECER-ME PELAS MINHAS PALAVRAS
Hás-de conhecer-me pelas minhas palavras
pelas minhas palavras e mais nada
lugar inteiro desta solidão habitada
onde vivo com Deus e o mundo retirada
e onde existimos contra o esquecimento
porque as palavras são corpo quando
são música e assim são movimento
correm pelas veias cheias de gente
e se há-de vir a morte
antes virá o amor para dançar no tempo
e dançarei contigo contra o esquecimento
e com as palavras farei um monumento

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

16 respostas a Pela minha palavra

  1. As palavras são um milagre… sabe-se lá de onde vêm.

  2. Mario diz:

    Dancemos entao? 🙂

  3. tristes mas bonitas as palavras

  4. nanovp diz:

    Pelas palavras se conhecem os recantos de um mundo escondido e imaginado…

  5. juan diz:

    Esta é a sua “praia”!, e as suas palavras são como o mar… imenso.

  6. Paula Santos diz:

    Já fez um monumento Eugénia. As suas palavras são sempre monumentos erigidos à poesia.

    E não só. Mas também. 😉

  7. Maria do Céu Brojo diz:

    Pela minha palavra perdi-me nas suas.

Os comentários estão fechados.