Bons garfos, grande poetas.

A poesia é para comer

Vivemos num país de bons garfos e grandes poetas. Assim, como «Dia da Poesia» é todos os dias, aqui vai retirado deste livro original e tão bem organizado pela Ana Vidal, amiga e parceira de cantorias,  uma ‘pouca de palavras’ a lembrar que ler e comer são duas coisas que uma triste triste não dispensa. Lá encontramos a nossa Eugénia, o Pedro Tamen, a Yvette Centeno, Ruy Belo, Ana Luísa Amaral, António Ramos Rosa, Maria do Rosário Pedreira, Vasco Graça Moura, Natália Correia, Herberto Helder e … com todo o respeito, outros tantos gulosos!   😆

A história do livro aqui.  

MHVSilvaMaria Helena Vieira da Silva, Composition

Jantar
Claudia Schroeder

A música estranha
o vinho pálido-branco
o aspargo
a couve-chinesa
(o menu para um a francesa).
Ah, como são tristes
os pratos
de porção única
quando há espaço
para dois
na mesa

OLYMPUS DIGITAL CAMERAIsaque Ribeiro, contacto 1

Omeleta
Nuno Júdice

Quando se misturam gema e clara,
se transforma o branco em amarelo e o amarelo
em branco, e a púrpura do meio se confunde
com um raio de sol, invento um canto
para que o ovo se não quebre. Então, vejo-o
ficar suspenso no equilíbrio do poema. De
um lado, dá-lhe a luz do sol; do outro, a palidez
da lua rouba-lhe o brilho. Gira
sobre si próprio: e a sua rotação sobrepõe-se
ao movimento da terra. Depois, com um gesto brusco,
parto-o: para que a sua gemada se espalhe pelo chão.
e o som do poema se misture com os seus pedaços

– aliterações duras como as cascas, vogais
divididas pela simetria do ovo.

Não percam as receitas!

 

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Está Escrito. ligação permanente.

10 respostas a Bons garfos, grande poetas.

  1. Para ler, ver e cozinhar…

  2. Este livro faz-me fome.

  3. nanovp diz:

    Que maravilhosa iguaria…servida com as requintadas palavras dos poetas…

  4. mónica diz:

    gosto do azulejo

  5. Ana Vidal diz:

    Rita, só agora dei pela honra da escolha, e logo no dia da poesia. Foi um enorme prazer, a vários títulos, fazer este livro de palavras comestíveis. Obrigada, beijo! 🙂

Os comentários estão fechados.