“Costurando Mitos e Religiões”

Frida Kahlo - "Meu Vestido Pendurado ali"

Frida Kahlo – “Meu Vestido Pendurado ali”

Nem o título me pertence. Está incluído num ensaio de Claudio Carvalhaes sobre a tela de Frida Kahlo “Meu vestido pendurado ali”. Por ser tela que sempre me intrigou, fui beber a fontes.

“A referência religiosa nas obras de Frida vinha de povos abandonados e marcados pela pobreza. Em seus quadros e fotos, seus vestidos e colares eram rodeados e mesmo marcados por aspetos religiosos presentes na cultura mexicana. Em seu quadro “Auto-Retrato na Fronteira entre México e Estados Unidos”, seu vestido está ao lado de elementos como o sol, lua, templo, caveira, sangue, o ciclo vida-morte azteca, e outros elementos da terra que servem para compor referências culturais, religiosas e teológicas do México.

Além das expressões religiosas pré-colombianas, a obra de Frida faz fortes referências ao catolicismo popular, como as coleções de milagres, os “retablos”, que Frida guardava. A Virgem Maria e os santos, Jesus Cristo, seu sofrimento e todo o imaginário católico são símbolos recorrentes na sua obra.”

Frida Kahlo - “Auto-retrato na Fronteira entre México e Estados Unidos”, 1932

Frida Kahlo – “Auto-retrato na Fronteira entre México e Estados Unidos”, 1932

Acerca da tela “Meu Vestido Pendurado Ali” escreveu também Carlos Drummond de Andrade.

“Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos, mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria,
o tempo presente,
os homens presentes,
a vida presente.”

De volta a Claudio Carvalhaes.

“Nos anos 90, revistas femininas nos Estados Unidos (“Elle”, “Vogue”) “traduziam” Frida Kahlo (1907-1954) em suas páginas em estilo mexicano, transformando seus vestidos em roupas atraentes nos corpos de belas modelos, posando em casas ensolaradas e supostamente também mexicanas. Queriam transformar a difícil obra dessa mulher em imagem palatável, pronta para ser consumida. Retocavam suas veias, o sangue, as cicatrizes, os pelos de sua face e a morte.”

Pecado que nem confissão rigorosa nesta Semana Santa absolve.

 

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

5 respostas a “Costurando Mitos e Religiões”

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Já revirei o texto e não encontro o erro. Sei que Frieda Kahlo era o seu nome. Será que de muito ler e reler escrito o erro me passa ao lado? Obrigada, Rita.

      • riVta diz:

        querida Céu, o seu post não tem nada de errado. Gosto muito é da Frida Kahlo. Apeteceu-me só ‘pronunciar’ o seu nome.

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Li o artigo todinho. Ignorava a existência do museu e o pedido de Frida após a morte de Rivera. Grata por me ter feito chegar esta pérola.

Os comentários estão fechados.