Uma criança de barriga para o ar (*)

 

gabriel_garcia_marquez

“O corpo repousava pesado mas tranquilamente, sem qualquer mal-estar, como se o mundo tivesse parado de repente e ninguém interrompesse o silêncio; como se todos os pulmões da terra tivessem deixado de respirar para não interromperem a leve quietude do ar. Sentia-se feliz como uma criança de barriga para o ar sobre a erva fresca e espessa, contemplando uma nuvem alta que se afastava no céu da tarde. Era feliz, embora soubesse que estava morto, que repousava para sempre na caixa forrada de seda artificial. Tinha uma grande lucidez.” (**)

Gabo está morto. Espero que esteja lúcido e feliz. A mim, que o li de revoada desde que, em 1988, o meu amigo Tiago me embrulhou, pelos anos, cem anos inteiros de literatura, fez-me muitas vezes feliz. Feliz de tanto sonhar. Feliz como uma criança de barriga para o ar sobre a erva fresca e espessa, contemplando a nuvem extraordinária do incrível e triste mundo que era seu, que ficou meu e que é de todos os homens que não tenham desaprendido de sonhar.

(*) Excerto de A Terceira Resignação, conto de 1947 incluído no magnífico Olhos de Cão Azul

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

5 respostas a Uma criança de barriga para o ar (*)

  1. Já não o leio há muito tempo. Tenho de, na morte dele, ressuscitar também a minha barriga de criança.

  2. Maria do Céu Brojo diz:

    Este livro passou-me ao lado. Vou tentar remediar a falta. Bela homenagem, Pedro.

  3. Paula Santos diz:

    Como disse Lídia Jorge, “A escrita faz com que o autor, independentemente do reconhecimento, tenha uma história de vida magnífica.”. Grande vida Gabriel!

  4. nanovp diz:

    Morto estará, mas em Macindo, e a rir com certeza….

Os comentários estão fechados.