Está uma noite perfeita e serpentina cheia de bem e de mal

O que terá acontecido, se o jazz era a melhor das músicas para dançar? Começo a convencer-me de que não foi o Homem quem caiu do Paraíso. Foi o Casal. Ou isso ou a Serpente já não gosta de música.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

5 respostas a Está uma noite perfeita e serpentina cheia de bem e de mal

  1. Para os satélites, solitários no espaço, frio, não há noite nem dia (diz quem sabe – not me – que este é um dos melhores álbuns do ano):

  2. Thomas Campos diz:

    Dançar é a melhor forma de se viver os momento da vida!

  3. nanovp diz:

    Ainda pode ser …o som do trumpete, os candeeiros altos dourados pendurados dos tectos abobadados, o mundo lá fora sem entrar…

Os comentários estão fechados.