O que o convite não diz

O convite que recebi hoje não diz que este livro é um livro sobre o tempo e os tempos, sobre a memória e os seus lumes, sobre a tradição e o presente. Não diz que o livro é uma contra-Mensagem … uma outra fala. Mas este livro é isto tudo.

[…]
Deixai-me o escuro, o meu.
Porque ao lado da minha,
a vossa ausência, essa que em mim plantastes,
nada é.
Tomáreis vós saber o que é ausência
Ausência eu: demorada nestas linhas.
Dizer com quanto escuro
a noite se desfaz
e se constrói —
[…]

Aqui fica o convite tal qual o recebi.

Convite_Escuro_LX

 

 

[…] como fazer de tempo? como fingir o tempo?[…]

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem.
Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton.
Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque… escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

4 respostas a O que o convite não diz

  1. ERA UMA VEZ diz:

    Talvez consiga lá estar- Gosto muito dos seus poemas. Tenho muita curiosidade.

Os comentários estão fechados.