A sophia de Sophia

Fotografia genial de António-Pedro Ferreira

Fotografia genial de António-Pedro Ferreira

Sophia, sabedoria, conhecimento em grego. Não podia ter outro nome. Hoje, que o seu corpo foi trasladado para o Panteão, partilho essa enorme sagesse neste poema. Gostem!

Quando o meu corpo apodrecer e eu for morta
Continuará o jardim, o céu e o mar,
E como hoje igualmente hão-de bailar
As quatro estações à minha porta.

Outros em Abril passarão no pomar
Em que eu tantas vezes passei,
Haverá longos poentes sobre o mar,
Outros amarão as coisas que eu amei.

Será o mesmo brilho, a mesma festa,
Será o mesmo jardim à minha porta,
E os cabelos doirados da floresta,
Como se eu não estivesse morta.

Sophia de Mello Breyner Andresen, in ‘Dia do Mar’

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a A sophia de Sophia

  1. Paula Santos diz:

    As rosas

    Quando à noite desfolho e trinco as rosas
    É como se prendesse entre os meus dentes
    Todo o luar das noites transparentes,
    Todo o fulgor das tardes luminosas,
    O vento bailador das Primaveras,
    A doçura amarga dos poentes,
    E a exaltação de todas as esperas.

    Sophia de Mello Breyner Andresen in Dia do Mar, 1947

    Uma rosa para Sophia..

  2. nanovp diz:

    Parece que lhe bastava o Mar…

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Como se ela pudesse morrer…

  4. Vânia Luz diz:

    Estupendo!

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    O mar em fundo. Até lhe ouço os sussurros. Magia.

  6. Aurora Luísa diz:

    “…Haverá longos poentes sobre o mar,
    Outros amarão as coisas que eu amei…”

  7. maria helena diz:

    “Há Mulheres que trazem o Mar nos Olhos”…

Os comentários estão fechados.