Namorar

x

quero namorar contigo

num lugar onde te veja pouco

posso assim

ir-te vendo poucochinho

e fazer de todas as vezes

que te vou vendo

a vida inteira

x

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

10 respostas a Namorar

  1. Ó diabo… pouco para não enjoar? Como os jalebis do nosso Vasco? Isso parece-me uma receita para o desastre: o amor quer vínculo!

  2. Vânia Luz diz:

    Bonito, mas frio.

  3. nanovp diz:

    Uma gestão amorosa do encontro Rita….

  4. Ó Rita, não lhes ligue: namorar tem de ser poucochinho. Há lá coisa mais enjoativa? Vá devagarinho, que assim não estraga a saúde.

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    A melhor maneira de namorar é a que descreve. Sigo-a e jamais me arrependi. A Rita foi aqui a bela «voz» do meu sentir.

Os comentários estão fechados.