Ó Salgado, quanto do teu sal…

mar

 

Quer-se dizer (como diz o povo e neste momento, quem não fala como o povo, é suspeito de passar férias na Comporta, ser apoiante de Passos Coelho, parricida ou coisa tão má como uma destas três). Quem não fala como o povo é, claramente um elitista que quer exames para os professores, mas um elitista dos piores, dos que ainda não percebeu a importância de um Ministério da Cultura para que haja cultura. Enfim, um desqualificado!

Por isso repito: Quer-se dizer, está uma alma na praia (a minha) e constantemente compinchas (dos bons, dos que pagam almoços, jantares, copos e contam histórias divertidas) veem-me e abordam-me. Cuidando que sou jornalista por escrever sobre coisas de atualidade, perguntam-me pormenores sobre o BES e o Ricardo Salgado.

Perante isto, tenho três hipóteses:

1)    Pôr um ar sério e pondero se 4,9 mil milhões (que nem faço ideia quanto seja) chegam para levar o Novo Banco adiante; interrogo-me sobre a legalidade da medida de passar tudo o que era (ou é, ou qualquer coisa) BES para o banco mau, mantendo o nome BES. Debater se Henrique Granadeiro se safa sem um processo movido pelos acionistas da PT e continua a produzir o seu excelente vinho no Monte dos Perdigões. Debato se Carlos Costa agiu a tempo ou demorou uma eternidade. Pondero se o Governo esperou que a troika saísse do país para dar a conhecer o drama do BES. Alterco sobre se o primeiro-ministro devia estar de férias ou não e por aí fora…

2)    Barafustar dizendo que estou de férias e não quero saber do assunto para nada. Pelo contrário, quero que eles vão todos morrer longe enquanto eu mergulho nas ondas e douro o meu corpo ao Sol (quem ler isto há de pensar que sou um Apolo e não se engana por muito).

3)    Fazer de maluco e recitar: “Ó Ricardo Salgado, quanto do teu sal são inquietações de Portugal”

Um poema que é mais ou menos assim (depende do improviso da altura):

“Ó Ricardo Salgado, quanto do teu sal
São inquietações de Portugal?
Quantas das tuas ações nos enganaram?
Quantas obrigações nos arruinaram
Quantas dívidas ficaram por pagar,
Apenas para que fosses tu a mandar?
Valeu a pena? Dividem-se as opiniões…
Tudo vale a pena se só pagares três milhões!

Deus à banca o risco e a glória deu
Mas foi o Espírito Santo que de lá sacou o seu”

Confesso-vos que, até agora, tenho preferido esta última opção.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

10 respostas a Ó Salgado, quanto do teu sal…

  1. Luisa Tavares de Mello diz:

    O Henrique Monteiro tem muito sentido de humor. Optou pela 3ª via …Apreciando a sua veia poética parece-me, contudo, que a 2ª via faria jus ao seu charme e estilo céltico. Boas ondas.

    • Henrique Monteiro diz:

      Aqui entre nós a história do Apolo é um bocado exagerada, não totalmente verdadeira, quer dizer, totalmente falsa…

  2. António Barreto* diz:

    Quer-se dezer…assim é que é.

    • Henrique Monteiro diz:

      Tem razão. Tanta que mereço ser semi-apoiante de Passos Coelho ou semi-veraneante na Comporta

  3. Pedro Caramujo diz:

    Maravilha, um dos meus comentadores/jornalistas/artistas preferido não me desilude.
    Excelentes banhos camarada Henrique Monteiro.

  4. Henrique Modesto diz:

    Excelente. De outro seguidor assiduo Henrique, mas Modesto.

  5. Não resisto a partilhar o seu poema. Como dizem os irmãos brasileiros, em cada português há sempre um poeta. Boas ondas e boas férias.
    Já agora, não será possivel fazer ao país o que fizera com o BES. dividi-lo em PortugalBom e PortugalMau e sediar este ultimo nas ilhas Desertas?

  6. llopes49 diz:

    Já agora gostava de mostrar ao Bes Mau,onde fica em Lx ,o Chão Salgado ,sim aquele dos Távoras.

  7. Carlos Anjos diz:

    Excelente Henrique como sempre, desconhecia os dotes de Poeta…boas férias.

Os comentários estão fechados.