Arquivos Mensais: Outubro 2014

O comunista inveterado

Tinha uma cabeçada demolidora. Lisboa já não seria bem um pátio das cantigas. Mas ainda havia restos de Vascos Santanas nas leitarias de Alcântara e nas tascas da Madragoa. O atávico leão da Estrela já era. Lisboa tinha agora um … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 7 Comentários

Convite

Em muito boa companhia, colaboro com três poemas nesta antologia organizada por Gisela Ramos Rosa. A capa é da artista romena Alexandra Cartianu. Amanhã, pelas 16 horas, na Livraria Ferrin (Rua Nova do Almada 70-74).  

Publicado em Post livre | 8 Comentários

Pouca Coisa…a Tiracolo

Não será nada que a imaginação da Eugénia não tenha ainda imaginado… É antes um bocado de tudo que parece ser um pouco de nada. Hábitos duros de largar, irracionais. Tão simples como o gesto de abrir a porta de … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 8 Comentários

Visão, tenha duas: um jantar em Nova Iorque

Hoje ia jantar a Nova Iorque. É Outono e em Manhattan quaisquer 12 graus centígrados sabem a 16 ou 17. Podíamos ser três ou quatro, para a conversa ir de carrinho. A esplanada do Aquagrill, na Spring, é uma delícia, … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 4 Comentários

Visão, tenha duas: A minha rica salada de agrião

Vejo a capa. É sobre cerveja – de qualidade a despeito da informalidade. Mas não bebo cerveja. Pior, não percebo nada de cerveja. Então, sobra-me o resto. A capa da New Yor­ker leva-nos a jan­tar a Nova Ior­que. Janta o … Continuar a ler

Publicado em Post livre | Tags | 10 Comentários

Ó pá!!!

 Aqui   Ilustração  de Jack Manini Ilustração de Gilson  

Publicado em Post livre | 6 Comentários

Pode o belo ser um vulcão? E se forem dois?

Eu, Escrever, não quero lançar a confusão entre os Tristes, mas tenho os meus espiões, que me mandam coisas. Não sei bem que objectos são estes, só sei que são lindos.

Publicado em Post livre | 6 Comentários

Abrir a mala

(para satisfazer a curiosidade da Eugénia) Quando era criança, passeava-me pela casa com uma pequena mala de viagem (o que lhe terá acontecido? para onde vão as coisas que perdemos quando crescemos?). A acreditar na minha memória (ou na minha … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 6 Comentários

Deslarga a fruta, pá!

Senhores doutores da fruta encerada e polida, se me apetecesse cera polida, lambia chão não comprava laranjas, maçãs, limões… E que é lá isso de fruta gigantone, sem sementes, de longa duração e o diabo a quatro? ´Tá tudo maluco?! … Continuar a ler

Publicado em Post livre | Tags | 6 Comentários

Alcançar o inatingível

Chegar atrasado à hora do próprio funeral; Partir antes de chegar; Ameaçar um morto; Conduzir um automóvel pelo próprio pé; Explicar o que é o direito à vida a um pelotão de fuzilamento; Pensar no impensável; Ser juiz do Supremo … Continuar a ler

Publicado em Escrita automática | 4 Comentários

O homem com o sol na nuca

Uma história primitiva Era um tempo em que não havia sol no céu. Havia, no entanto, duas espécies de homens na terra: os homens que tinham um sol na testa, e que projectavam luz sobre o caminho, e os homens … Continuar a ler

Publicado em Museu das Curtas | 5 Comentários

Just a crossroad between 165th & 138th

Em resposta ao desafio do Bernardo aqui   Original painting – David Hockney_Pearblossom-highway, 1986 J.Paul Getty Museum, Los Angeles.

Publicado em Museu das Curtas | 8 Comentários

A daring answer to Miss Eugénia de Vasconcellos

Desafiou-nos a Eugénia a trazer à luz do dia O que levamos connosco Quando saímos à rua. Ora eu diria que infelizmente nada tenho a declarar! Proibiu a Eugénia que aqui se possa falar de óculos, telemóveis, jornais, revistas Mas … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 5 Comentários

O que vai lá dentro

  Isto tudo começou com uma curiosidade da nossa Eugénia. Mas, como muitas curiosidades, ou matam gatos ou criam monstros. E esta que abaixo passarei a relatar foi uma descoberta recente. Estava com algum receio de a verbalizar, não fosse … Continuar a ler

Publicado em Post livre | 12 Comentários

Ok, eu digo

Em casa do meu avô havia uma Astra .22 com a coronha em madrepérola. Nunca matou ninguém mas era tão bonita que causou alguns arrufos nas partilhas. Não caiu para o meu lado e foi uma pena porque assim não … Continuar a ler

Publicado em Post livre | Tags | 15 Comentários